#Hearthstone,  blizzard,  Café com Blizz,  curiosidades,  Hearthstone,  herói,  homenagem,  HS,  personagens,  World of Warcraft

Por dentro da Lore: Rainha Sylvana Correventos (1/3)

No passado Sylvana foi a general-patrulheira de Luaprata, uma comandante encarregada de defender o reino dos elfos de Quel’thalas. Sua habilidade de liderança foi posta à prova quando o Lich Rei e seu Flagelo de mortos-vivos atacaram sua nação. Apesar de lutar bravamente, ela foi abatida pelos invasores profanos.

Arthas Menethil, o cavaleiro da morte do Flagelo, arrancou sua alma e a transformou em uma banshee, um fantasma vingativo forçado a servir o Lich Rei.

Como a historia de Sylvana e sua participação no jogo é muito longa e importante, será dividida em três posts: o primeiro fala sobre ela como humana, o segundo como aliada do Lich Rei e Rainha Banshee e o terceiro sobre a atualidade de Shadowlands, espero que gostem!

Rainha Banshee

Lady Sylvana, também conhecida como “a Dama Negra” e “a Rainha Banshee”, é a ex-Chefe da Guerra da Horda e ex-governadora suprema dos Renegados, uma das facções mais poderosas dos mortos-vivos em Azeroth. Em vida, Sylvana era a guarda-florestal geral de Luaprata, cuja perspicácia de liderança e coragem marcial eram sem igual. Durante a Terceira Guerra, ela bravamente defendeu Quel’Thalas de uma invasão do Flagelo liderada pelo cavaleiro da morte Arthas Menethil. No final das contas, ela caiu em batalha, mas ao invés de homenagear a general com uma morte rápida, Arthas arrancou sua alma e a transformou em uma banshee: um agente astuto e vingativo do Lich Rei fortalecido pelo ódio.

Quando o controle do Lich Rei sobre seus subordinados enfraqueceu, Sylvana se afastou do controle de seu mestre tirânico e recuperou seu corpo. Prometendo vingar sua morte, ela reuniu outros mortos-vivos renegados e partiu para a guerra contra o Flagelo. Foi assim que os Renegados vieram a existir, com Sylvana como sua rainha. Sob seu comando, eles se juntaram à Horda e mais tarde ajudaram a provocar a queda do Lich Rei. Ela busca um propósito maior para um povo que já morreu uma vez.

Após a queda do Lich Rei, Sylvana chegou à conclusão chocante de que ela, como Arthas antes dela, estava condenada a uma eternidade de escuridão e tortura na vida após a morte. Depois de entrar em um pacto com as Val’kyr, ela conseguiu recuperar seu lugar no reino dos vivos enquanto sua Val’kyr sobreviver. Conhecendo o destino sombrio que inevitavelmente acontecerá com ela, Sylvanas considera seu povo um baluarte contra a escuridão horrível que a espera no final. 

Chefe-Guerreira

Depois de ser mortalmente ferido durante a batalha pela Costa Partida, Vol’jin declarou Sylvana como sua sucessora com seu último suspiro, deixando-a liderar a Horda contra as forças invasoras da Legião Ardente. Após a derrota da Legião, Sylvana agora lidera a Horda contra a Aliança em uma guerra que abrange todo Azeroth.

Família

Sylvana era um membro da importante família Correventos dos altos elfos. Ela era a irmã do meio, entre a irmã mais velha, Alleria, e a mais nova, Vereesa. Ela também tinha um irmão chamado Lirath. Sua família morava em Espiral Correventos, nas tranquilas florestas de Quel’Thalas. Sylvana juntou-se aos guardas florestais e acabou se tornando a líder, subindo para o posto de General dos Arqueiros de Luaprata, líder militar de todas as forças élficas.

Antes da Segunda Guerra, ela ganhou uma reputação como uma patrulheira destemida e astuta, enquanto lutava contra os trolls da floresta do Império Amani. Algum tempo antes da Segunda Guerra, Sylvana admitiu o talentoso patrulheiro humano Nathanos nas fileiras dos Farstriders. Sua decisão surpreendeu muitos de seus compatriotas, como Halduron, Lor’themar Theron e Renthar Hawkspear. Alguns dos camaradas de Sylvana acharam excessivo o orgulho que Sylvana sentia de seu discípulo humano, e se opuseram à permitir que Nathanos treinasse com os guardas élficos.

Apesar disso, ela o visitava frequentemente em sua casa. O motivo oficial era o de ouvir relatos, mas os boatos que se espalharam eram de que eles estavam envolvidos em um relacionamento romântico.

Segunda Guerra

Sylvana visitou Nathanos pouco antes do início da Segunda Guerra. Ela falou com ele sobre uma possível invasão de Quel’Thalas da Horda e conheceu seu jovem primo, Stephon Marris. Ela perguntou ao garoto se ele queria ser um guarda florestal quando crescesse, mas ele respondeu que queria ser um cavaleiro. Sylvana deu-lhe uma moeda de ouro e disse-lhe para guardá-la até que ele tivesse idade suficiente para comprar sua primeira espada. Antes de partir, Sylvana passou a noite no lugar.

Até o sumo príncipe élfico Kael’thas aceitou um problema com Nathanos e enviou uma carta a Quel’Thalas exigindo que Sylvana demitisse o humano do corpo dos guardas florestais. Apesar dessa oposição, Sylvana persistiu e sua resposta foi simplesmente que Nathanos seria um aliado leal. Isso se mostraria correto, pois o talento de Nathanos permitiu que ele se tornasse o primeiro e o último dos senhores dos arqueiros humanos e foi responsável por vitórias em uma década de conflito.

Durante a Segunda Guerra, os elfos enviaram inicialmente apenas um apoio simbólico à Aliança, embora a irmã mais velha de Sylvana, Alleria, tenha pegado seu esquadrão de guardas florestais e se juntado à luta contra a Horda também.

Depois que as florestas de Quel’Thalas começaram misteriosamente a queimar, Sylvana e seus guardas começaram a descobrir a causa. Ela encontrou as duas irmãs sendo perseguidas por um bando de trolls da floresta, que eles despacharam rapidamente.

Alleria alertou Sylvana sobre a horda orc, e que eram eles que queimavam Quel’Thalas com fogo de dragão. Sylvana e seus guardas se moveram rapidamente para encontrar a Horda e prendê-los entre si e as forças da Aliança sob o comando do paladino Turalyon. A batalha deu muitas voltas, mas no final a Horda abandonou Quel’Thalas. Sylvana ficou para trás para caçar os orcs restantes. Pouco depois, a Horda foi derrotada, o Portal Negro destruído e a Segunda Guerra terminou.

Mortos-Vivos

Depois que os elfos altos se retiraram da Aliança, Sylvana e seus guardas florestais foram os principais guardas contra qualquer possível atacante em Luaprata. Vários anos depois, Arthas Menethil, o traidor de Lordaeron, chegou inesperadamente à porta de Quel’Thalas com uma horda de mortos-vivos nas costas. Kelmarin, um dos batedores de Sylvana, rapidamente a informou do enxame de mortos-vivos que se aproximava rapidamente do primeiro elfo. Sylvana organizou seus Farstriders e foi observar o despojador de Lordaeron.

Ela ficou cara a cara com Arthas e sugeriu que o cavaleiro da morte voltasse. No entanto, Arthas retrucou que a própria morte havia chegado a Quel’Thalas e começou seu ataque ao primeiro elfo. Apesar dos melhores esforços dos Farstriders, Arthas conseguiu atravessá-lo com sucesso com seus aliados necromânticos e nerubianos gigantescos. Sylvana e seus guardas sobreviventes fugiram de volta para o segundo portão, e ela percebeu que não poderia vencer esta batalha. No entanto, esperava que os magísteres da Nascente do Sol – se soubessem o que estava se aproximando – ainda pudessem mudar os rumos da batalha. Ela teve outra corrida dos arqueiros para informá-los que Quel’Thalas pode ter sido traída, e observado como o Flagelo dos mortos-vivos fez um rastro de destruição escura e profana na terra.

A posição final de Sylvana foi contra o próprio Arthas, a leste de Fairbreeze Village, rapidamente se aproximando de Luaprata. Neste momento ele estava frustrado com a forte resistência que Sylvana havia lhe dado. Os dois se envolveram em combate, embora a guarda-general exausta não conseguisse igualar o poder da Gélido Lamento, que quebrou suas armas e atravessou seu abdômen. Segundo Arthas, foi Sylvana quem levou a desgraça ao povo élfico; inicialmente, seu único objetivo era alcançar a Nascente do Sol.


 Continua …

Eu amo e defendo a classe de Sacerdote em qualquer jogo que eu pise. Jogo Hearthstone desde o beta, mas ainda sim peguei apenas uma vez o rank Lenda. Fico fantasiando sobre qual será a próxima expansão sempre que a Blizzard anuncia a última.