#Hearthstone,  blizzard,  Café com Blizz,  curiosidades,  Hearthstone,  herói,  homenagem,  HS,  Lore,  World of Warcraft

Por dentro da Lore: Rainha Sylvana Correventos (2/3)

No passado Sylvana foi a general-patrulheira de Luaprata, uma comandante encarregada de defender o reino dos elfos de Quel’thalas. Sua habilidade de liderança foi posta à prova quando o Lich Rei e seu Flagelo de mortos-vivos atacaram sua nação. Apesar de lutar bravamente, ela foi abatida pelos invasores profanos.

Arthas Menethil, o cavaleiro da morte do Flagelo, arrancou sua alma e a transformou em uma banshee, um fantasma vingativo forçado a servir o Lich Rei.

Como a historia de Sylvana e sua participação no jogo é muito longa e importante, será dividida em três posts: o primeiro fala sobre ela como humana, este segundo como aliada do Lich Rei e Rainha Banshee e o terceiro será sobre a atualidade de Shadowlands, espero que gostem!


Continuando …

A história oficial contada é a de que Sylvana pereceu valentemente na batalha contra o Flagelo dos mortos-vivos em defesa de Quel’Thalas, e seu corpo foi reduzido à cinzas no fogo que devastou metade da capital.

Rhonin contou uma história diferente: Sylvana foi capturada, terrivelmente mutilada e, finalmente, morta pelo prazer de Arthas. Nesta versão dos eventos, seu corpo foi levado para um templo escuro, onde Arthas corrompeu sua alma, transformando-a em um fantasma assustador e triste chamado banshee que foi deixado para vagar pelas ruínas de Quel’Thalas. 

A verdade

Quando Sylvana estava morrendo depois de ser empalada pela Gélido Lamento, ela pediu a Arthas para matá-la, dizendo que merecia uma morte limpa. Lutando com ela a cada passo do caminho, Arthas respondeu dizendo que a última coisa que ele daria a ela era a paz da morte. Momentos depois da escuridão reconfortante, ela sentiu uma agonia diferente de qualquer outra que já conhecera. Arthas rasgou sua alma de volta ao mundo e Sylvana Correventos se tornou o primeiro dos banshees dos High elfs. Ela foi capaz de dar voz à sua dor e, ao fazê-lo, causaria dor a outras pessoas. Seu corpo foi arremessado em um vagão de carne, perdido entre os milhares que o Flagelo havia reivindicado, e mais tarde seria trancado em um caixão de ferro como mais um ato de vingança contra a guarda-general.

Banshee

Sylvana, agora uma banshee morta-viva, recebeu, de Arthas, uma série de habilidades não convencionais. Embora estivesse completamente ligada à vontade dele, em um processo que ela comparou a um mestre de marionetes, lhe foi permitida manter sua autoconsciência – para que ela pudesse testemunhar a destruição que traria ao seu povo em primeira mão. 

Embora Arthas tivesse sido capaz de preencher a primeira travessia com corpos para formar uma passagem, Sylvana disse a ele que nunca seria capaz de fazê-lo para alcançar Quel’Danas e a Nascente do Sol. Arthas mergulhou a Gélido Lamento no oceano e criou um caminho de geada para seu exército usar.

Arthas começou seu ataque brutal à Nascente do Sol, e Sylvanas assistiu impotente enquanto ele se engajava em um único combate com o alto governante élfico, o rei supremo Anasterian. Ela esperava ternamente que o rei idoso pudesse acabar com ele, embora soubesse que não era possível. Suas esperanças aumentaram quando Anasterian conseguiu desmontar Arthas, ferindo gravemente seu cavalo esquelético, Invencível, embora o ato tenha servido apenas para enfurecer Arthas ainda mais.

O rei Anasterian caiu, de corpo e alma, diante da Gélido Lamento. Sylvana testemunhou o renascimento de Kel’Thuzad através da destruição da Nascente do Sol e tomado pela dor, soltou um grito de banshee que quase ensurdeceu o exército, mas apenas divertiu Arthas. No entanto, Sylvana não pôde deixar de sentir-se feliz em ver o traidor, Dar’Khan Drathir, morto por Arthas também.

Batalha de Lordaeron

Arthas se aproximou de seus servos e ordenou que Lordaeron fosse expurgado de toda a vida como uma homenagem a Ner’zhul. Kel’Thuzad, no entanto, informou-o de que os refugiados humanos haviam começado a fugir das aldeias exteriores e que, se escapassem pelas passagens nas montanhas, seria impossível rastrear.

Sendo assim, Arthas se posicionou e a seus dois generais nas três possíveis rotas de fuga, e cada um deles liderou destacamentos de tropas mortas-vivas contra os humanos em fuga enquanto se esforçava para garantir que poucos, se houvesse, conseguissem superar seu bloqueio à segurança. Apesar dos esforços do paladino Dagren, o Matador de Orcs e seus companheiros, Sylvana levou seus banshees à batalha contra os refugiados humanos, ajudou na destruição de todas as aldeias restantes em sua área e matou qualquer humano que tentasse escapar. Finalmente, Sylvana, Arthas e Kel’Thuzad chegaram à sede central dos Paladinos e mataram todos eles em uma batalha violenta, aniquilando a última presença civil em Lordaeron.

Os Renegados, tendo conquistado um império funcional próprio e com números crescentes a cada dia, sabiam que o próximo passo para realizar sua vingança contra Arthas Menethil era garantir seu lugar no mundo. Embora Sylvana tivesse presidido a guerra civil nas Terras Pestilentas e conquistado com sucesso as ruínas de Lordaeron, por quanto tempo a facção relativamente pequena dos Renegados poderia manter suas propriedades não era clara.

A sede dos Morto-Vivos

Sylvanas procurou encontrar aliados. Para esse fim, ela enviou embaixadores à Aliança e à Horda. Seus emissários para a Aliança nunca retornaram. Sylvana suspeitava que não haviam sobrevivido o tempo suficiente para passar pelos portões da cidade de Ventobravo. Felizmente, seus embaixadores na Horda se saíram melhor com o arquidruida Hamuul Runetotem, acreditando que os Renegados poderiam ser redimidos e revividos espiritualmente. Hamuul trouxe embaixadores de Renegados para se encontrar com Caerne Casco Sangrento, alto chefe das tribos Tauren, e ele concordou que os Mortos-Vivos deveriam ter a chance de prosperar. Assim, ele convenceu Thrall, apesar de suas apreensões, a forjar uma aliança de conveniência entre os Renegados e a Horda. Essa aliança de conveniência concedeu à Horda uma posição melhor nos Reinos do Leste, controlados pela Aliança, e, por sua vez, com a proteção da Horda, os Renegados foram capazes de manter suas propriedades em Lordaeron. 

De volta a guerra

Finalmente chegou a hora de lidar com o Flagelo. Sylvana e seu chefe boticário, Putriss, se reuniram com o Chefe Guerreiro Thrall, o Soberano Saurfang e Garrosh  para planejar sua próxima jogada. Houve um duelo entre Garrosh e Thrall (alimentado pela crença de Garrosh de que ações imediatas precisavam ser tomadas) ser interrompido por um ataque do Flagelo, em que Sylvana ajudou a defender Orgrimmar. Após a vitória da Horda, Thrall declarou guerra ao Lich Rei. Satisfeita, Sylvana dispensou Putriss para ajudar a Horda em Nortundria – seu vasto conhecimento da praga certamente era uma adição benéfica ao seu arsenal.

Assim, a Horda começou seu ataque à região congelada de Nortundria. Enquanto o principal avanço da Horda, liderado por Garrosh Grito Infernal, atacou da Tundra Boreana; os Renegados – sob a bandeira da apropriadamente nomeada Mão da Vingança – atacaram a região do Fiorde Uivante com sua considerável marinha. 

Um dos novos campos abandonados em Nortundria é Nova Agamand, onde a maioria dos membros da Sociedade Apotecaria Real passou a residir para terminar de aperfeiçoar a praga que desencadearia o Lich Rei. Lady Sylvana vinha supervisionando metodicamente e pacientemente a criação desse contágio há vários anos, e parecia que finalmente chegara a hora de testá-lo no Flagelo.

No entanto, o Grande Boticário Putriss, a quem Sylvana havia implantado em Nortundria, em breve chegaria a receber essa honra – lançando a praga perfeita e voraz no Flagelo, na Aliança e até na Horda durante a Batalha de Angrathar, na Ira.

Quando as forças combinadas da Horda e da Aliança começaram seu ataque a Angrathar, o Portal Ira, uma revolta eclodiu dentro da Cidade Baixa. Varimathras e hordas de seus irmãos demoníacos, aliados a Putriss, invadiram a cidade, matando todos aqueles que não se submetessem ao seu domínio sombrio. A própria Sylvana quase morreu no golpe, mas conseguiu escapar com vários partidários e fugiu para Orgrimmar. Determinados a não permitir que eles se posicionassem no território da Horda, Thrall e Sylvana planejaram um contra-ataque imediato.

No meio de seu planejamento, no entanto, Jaina Proudmoore chegou com notícias terríveis: após a morte de Bolvar Fordragon, o rei Varian estava se preparando para uma possível guerra com a Horda. Jaina fora enviada para obter uma explicação para a traição no Wrathgate. Embora Thrall e Sylvana tenham explicado que a Horda não era responsável por Putriss, Jaina os avisara que o rei Varian provavelmente buscaria retribuição.

Retomando seus domínios

Sylvana voltou para a Cidade Baixa à frente de um exército da Horda, determinada a retomar sua cidade. Junto com Thrall e Vol’jin, ela liderou o ataque contra a própria Cidade Baixa, um grito pelo seu povo nos lábios. Na sala do trono, ela lutou e finalmente matou Varimathras, retomando seu trono.

Enquanto isso acontecia, o rei Varian lançou seu próprio ataque à Cidade Baixa, dos esgotos, encontrando e matando Putriss. Após a descoberta de várias experiências abandonadas em seus cativos humanos, o rei Varian começou a declarar guerra à Horda. O rei Varian entrou no Bairro Real logo após a derrota de Varimathras, marcando-os como monstros e atacando o Chefe Guerreiro e a Senhora Negra. No entanto, ele foi rapidamente teleportado para fora da batalha por Jaina, que levou as forças da Aliança de volta para Ventobravo.

Vingança contra Lich Rei

Sylvana levou as forças da Horda aos Salões Congelados dentro da Cidadela da Coroa de Gelo, para confrontar o Lich Rei e ganhar sua vingança contra Arthas por destruir Quel’Thalas e condená-la a morrer. Acompanhado por  Kalira e  Loralen, ela instruiu os heróis da Horda em suas batalhas pelos corredores amaldiçoados e se juntou a vários campeões da Horda no Torneio Argenteo. Após a derrota de Ick e Krick, Krick implorou misericórdia à Sylvana e tentou saciá-la com o conhecimento de que a Gélido Lamento estava dentro dos corredores, desprotegida. Krick foi finalmente eliminado por  Tyrannus, e Sylvana fez a jornada para os Salões da Reflexão. Antes de entrar nos corredores, eles tiveram que lutar contra Tyrannus.

Logo após sua morte, Sindragosa apareceu e matou quase todos os combatentes, exceto Sylvana, seus dois guardas florestais e os aventureiros, que ela retirou do alcance de Sindragosa. Ela enviou Kalira para obter reforços e com Loralen e os aventureiros entraram nos Salões da Reflexão.

Ao alcançar os aposentos particulares de Arthas nos Salões da Reflexão e de pé tão perto da Gélido, Sylvana sentiu a dor de sua morte por essa lâmina renovada. No entanto, tentou se comunicar com os espíritos dentro da espada, esperando que “a salvação estivesse dentro”. Nesse momento, o espírito de Uther, o Portador da Luz, apareceu, avisando-a de que o Lich Rei estava a caminho e da tolice de tentar derrotá-lo ali. Ele revelou que, mesmo que Arthas fosse destruído, deve haver alguém para ocupar seu lugar como mestre do Flagelo, para que não se espalhem pelo mundo como gafanhotos, consumindo tudo em seu caminho. Para derrotar o Lich Rei, disse Uther, ele deve ser destruído no local em que foi criado: O Trono de Gelo.

Nesse momento, o Lich Rei chegou e recuperou sua lâmina, consumindo a alma de Uther dentro dela. Ele convocou Falric e Marwyn, seus dois principais tenentes, para matar os intrusos. Enquanto os aventureiros lutavam contra o casal e os fantasmas que eles convocam, Sylvana e Loralen perseguiram enquanto o Lich Rei fugia para seu santuário interno. Ao derrotar os cavaleiros da morte e seus aliados fantasmagóricos, o grupo encontrou Loralen morta no corredor e sons de batalha vindo da câmara diante deles – Sylvana e Lich Rei em combate único.

Percebendo que ele era poderoso demais para confrontar lá, como Uther havia avisado, Sylvana e seus acompanhantes fugiram, rompendo as paredes de gelo e grupos de lacaios mortos-vivos que o Lich Rei convocou para retardar seu progresso. Quando chegaram ao exterior, eles perceberam que era um beco sem saída e resolveram morrer na batalha contra o Lorde das Trevas. Nesse momento, o helicóptero Orgrim’s Hammer chegou ao local para resgatá-los. Quando fugiram dos Salões da Reflexão, Sylvana percebeu que os poderes do Lich Rei haviam aumentado dez vezes e que, para derrotá-lo, era necessário um exército poderoso, maior do que a Horda poderia reunir.

Após a guerra

Eventualmente, Arthas caiu em combate com Tirion Fordring e seus campeões, encerrando seu reinado de terror.

Após a morte do Lich Rei Arthas Menethil, Sylvana se aventurou sozinha no trono congelado. Irritada por ela não estar lá para vê-lo cair, Sylvana se consolou ao saber que o trabalho que começara nas luxuriantes florestas de Quel’Thalas estava finalmente completo: Arthas estava morto.

Com o objetivo de sua vida – e da não-vida – saciado, Sylvana podia pensar apenas no destino brilhante que a esperava antes que Arthas arrancasse sua alma e se preparasse para se lançar da cidadela para os picos de saronita abaixo, a única coisa capaz de destruí-la completamente. Enquanto contemplava o fim de sua longa jornada, nove Val’kyr a cercavam, concedendo suas visões de seu passado. Sylvana as ignorou e se jogou do trono congelado.

Sylvana teve uma visão do futuro de seu povo. Sem sua liderança, a maior parte dos Renegados foi sacrificada por Garrosh Grito Infernal em um ataque fracassado a Gilneas. No baluarte, o boticário Lydon organiza um último contra-ataque desesperado contra as forças invasoras da Aliança. Quando a maré virou contra eles, os Renegados se lançaram em fogos violentos, em vez de enfrentar os ataques futuros.

Quando a visão terminou, Sylvana se viu flutuando em um vazio escuro, onde só conhecia terror, frio, desesperança, medo e arrependimento. Ela também encontrou o fantasma de Arthas e ficou surpresa ao descobrir que tudo o que ele era naquele momento era um garotinho assustado e solitário.

Olhando para o homem que infligira tal tormento, Sylvana admitiu que, se sua alma não tivesse sido quebrada, ela poderia realmente sentir pena dele, apesar do que ele havia feito com ela. Quando ela percebeu que esse reino de angústia seria sua eternidade, os Val’kyr apareceram novamente. Liderados por Annhylde, o chamador, ofereceram um pacto à Dama das Trevas: em vez de permitir que Sylvana residisse eternamente nesse reino aterrador, Annhylde se ofereceu para substituí-la se ela se ligasse aos Val’kyr restantes; um poderoso navio através do qual eles podem continuar a existir como mais do que escravos, seus destinos entrelaçados. Sylvana aceitou o pacto e retornou ao reino dos vivos cercado pelos oito Val’kyr restantes.


Eu amo e defendo a classe de Sacerdote em qualquer jogo que eu pise. Jogo Hearthstone desde o beta, mas ainda sim peguei apenas uma vez o rank Lenda. Fico fantasiando sobre qual será a próxima expansão sempre que a Blizzard anuncia a última.