#Hearthstone,  blizzard,  Café com Blizz,  curiosidades,  Hearthstone,  Heroes of the storm,  herói,  histórias,  HS,  personagens,  personalidades,  World of Warcraft

Por dentro da lore: Valira Sanguinar

Valira Sanguinar, juntamente com Broll Bearmantle, era companheira de Varian Wrynn. Ela acabou se tornando executora do Novo Conselho de Tirisfal e aceitou o cargo de conselheira e guarda-costas de Varian, em Ventobravo, com a ressalva de que ela mantinha sua independência. 

Ela se identifica culturalmente como uma elfa sangrenta, se orgulhando das tradições de seu povo e defendendo suas tribulações e lealdades. No entanto, ela mesma age independentemente do governo talassiano e não ingressou formalmente na Horda nem na Aliança desde sua introdução, mas é ferozmente leal a Varian e seu filho.

A própria Valira sustenta que suas lealdades são pessoais, para com seus amigos e seus ideais.

Juventude

Quando Valira era jovem, sua família foi morta por bandidos. Ela sobreviveu à eles e ao Flagelo, ganhando a vida roubando o que precisava. Uma vez, ela roubou um pergaminho para descobrir informações sobre sua própria família: seu ancestral Relfthra era um alto mago elfo e membro da ordem secreta de Tirisfal. No entanto, um dia, ao tentar roubar o talismã de um xamã, ela foi pega e presa. Na tentativa de fuga, ela mostrou suas proezas de luta ao ferir vários dos guardas no processo, é possível que tenha sido assim que ela atraiu a atenção do promotor da Arena. Um dia antes de implementar seu plano de fuga, Valira foi vendida para Rehgar Earthfury, para que ela pudesse se juntar a “Bloodeye Redfist” e Broll Bearmantle em um combate em equipe no Anel Carmesim. Logo depois, Bloodeye foi morto e Broll contou a Valira as histórias de Rehgar e Bloodeye.

Lutando na arena

Após a pira funerária de Bloodeye, Valira e Broll estavam sendo transportados em uma carroça enjaulada para Orgrimmar para serem treinados como gladiadores. No caminho, eles se juntaram a um humano que havia chegado à praia sem lembrança. Quando chegaram a Orgrimmar, foram enjaulados novamente; o humano que não fez nada além de ninhada, enquanto os dois elfos discutiam.

Naquela noite, nas jaulas, Broll ofereceu ao ser humano um remédio para meditação, e o homem teve um breve lampejo de memória.

Valeera, Broll e o humano amnésico treinaram nos caminhos do gladiador no Anel da Bravura e aprenderam a cuidar um do outro, uma vez que os gladiadores rivais testavam seu valor contra a equipe iniciante em lutas até a morte enquanto seus treinadores jogavam sobre os resultados. Eventualmente, os três viajaram para Dire Maul em Feralas, onde ocorreram as disputas de gladiadores. Após muitas batalhas sangrentas, emergiram os vencedores do torneio Anel Carmesim. Impressionada com a habilidade de Varian em armas, a multidão deu a ele o apelido orquíco de Lo’Gosh; o que significa “lobo fantasma”.

Vendida como escrava

Depois de vencer os concursos de gladiadores do Dire Maul, Rehgar vendeu Valira a Helka Grimtotem, uma amante de gladiadores, por 2000 de ouro. Helka queria que Valira liderasse uma equipe de gladiadores feminina, composta por uma orc e uma trollesa. No entanto, logo depois de partirem para um jogo de exibição na Costa Mercante, Valira escapou com o Wyvern Bristlefur. Ela então foi procurar Broll e Lo’Gosh, que haviam escapado da Rehgar Earthfury. Ao segui-los, ela descobriu que um assassino também os seguia.

Ela finalmente alcançou o assassino e, depois de pegá-lo desprevenido, matou-o com a ajuda de alguns animais locais. Desgastada da luta, ela foi resgatada por Aegwynn, que viu grandes coisas nela. 

Revelações

Aegwynn a reuniu com Broll e Lo’Gosh, que se revelou ser o rei perdido de Ventobravo, Varian Wrynn. Os três estavam determinados a ficarem juntos e partiram para Ventobravo para devolver Varian ao seu legítimo trono. Durante a viagem pelo Grande Mar, Valira ajudou Varian e Broll a defender o navio contra o ataque de nagas, mas durante a luta ela absorveu as energias arcanas do tridente de uma bruxa do mar Naga; este ato foi o que começou seu vício em mana.

Perda de Controle e o vício em mana

Depois que ela chegou ao porto de Menethil, ela, Varian, Broll e um anão chamado Thargas Anvilmar começaram a jornada em direção a Altaforja. No caminho, eles foram parados pelo Vendellin Soulfire, um bruxo elfo sangrento enviado para assassinar Varian. Ele colocou a marca de Kathra’natir em Valira e, ao fazer isso, fez com que o demônio Kathra’natir a possuísse. 

Por estar infectada com as energias vis de um demônio, seu vício foi exacerbado. Durante os lapsos de autocontrole de Valira, o demônio ocasionalmente ganha influência e assume o controle de seu corpo. Quando o grupo chegou a Altaforja, Lo’Gosh e Magni conversaram. Eles estavam sendo seguidos secretamente por um homem barbudo. Valira sentiu a energia arcana sendo manipulada e testemunhou o homem criando uma adaga com a intenção de matar Lo’Gosh. Ela rapidamente subjugou o homem, mas ele se transformou em um dragão negro e fugiu. Ela foi deixada para trás em Altaforja para se ajustar à sua retirada da magia, enquanto o resto de seus companheiros embarcou em uma missão para resgatar o marechal Windsor.

Isolado em seu quarto, o demônio tentou assumir o controle de seu corpo, alimentando seus sentimentos de abandono, usando visões de seus pais falecidos para abusá-la verbalmente. Valira recuperou o controle de seus sentidos quando uma visão de Aegwynn lhe disse que não estava sozinha e que tinha pessoas como Broll e Varian que a amavam. Mais tarde, ela se encontrou com Varian e Broll após a missão, informando que estava melhor e no controle de si mesma novamente.

A chegada a Ventobravo

Quando o grupo chegou a cidade de Ventobravo, ela ajudou a revelar a traição de Onyxia e viajou com o rei Varian de volta ao mar, para finalmente matá-la. Após a morte de Onyxia, Varian ofereceu a Broll e Valira um lugar permanente em Ventobravo, no qual eles poderiam atuar como guarda-costas e conselheiros dele.

Dias de Luta, Dias de Paz

Valira e Anduin convenceram Varian de que ele deveria criar a paz entre a Horda e a Aliança. Mas, quando a cúpula da paz estava prestes a acontecer, Broll foi convocado para Darnassus, o que entristeceu Valira. Aegwynn a animou, dizendo que ela tem talentos, mas também encargos e responsabilidades. Durante o cume, Theramore foi atacada pelo culto ao Martelo do Crepúsculo. Embora o ataque tenha sido repelido; a cúpula da paz foi arruinada e a Horda e a Aliança ficaram desconfiadas uma da outra.

Quando o Flagelo atacou Ventobravo, Valira ficou em Theramore para investigar os autores da emboscada. Valira fez um acordo com Garona para resgatar seu filho Med’an em troca de sua cooperação em revelar as identidades de seus mestres. Mais tarde, ela fez uma parceria com Meryl Winterstorm e viajou com ele para Ahn’Qiraj para salvar Med’an. Eles encontraram Med’an pendurado no cadáver do Deus Antigo C’Thun e o resgataram. No entanto, antes que pudessem fugir das ruínas de Ahn’Qiraj, eles foram interceptados por Cho’gall, que derrubou Meryl com um golpe. Valira absorveu um pouco de magia de Meryl e Med’an para crescer forte o suficiente para afastar Cho’gall, dando a Med’an, que havia acabado de recuperar a consciência, tempo suficiente para curar Meryl. Cho’gall ainda era muito poderoso para derrotar e, ficando desesperada para permanecer viva, Valira se ofereceu voluntariamente ao demônio dentro dela, a fim de usar o poder do demônio para afastar Cho’gall.

Saindo da enrrascada

Quando Meryl recuperou a consciência, ele os teletransportou para longe de Cho’gall. Quando chegaram a um local seguro, Valira, ainda possuída por Kathra’natir, cobiçou o poder de Med’an e tentou possuí-lo, mas Med’an foi capaz de rejeitar os avanços de Kathra’natir. Meryl, que ao lado do Conselho de Tirisfal havia banido Kathra’natir milhares de anos atrás, desafiou o demônio a possuir seu poderoso corpo mágico para atrair o demônio para longe do corpo de Valira. Enquanto o demônio tentava possuí-lo, Meryl provou ser o mais forte dos dois testamentos e reprimiu o demônio dentro de seu corpo. Meryl então pediu a Med’an e Valira para nunca contar a ninguém sobre o que aconteceu entre ele e o demônio.

Mais tarde, ela ajudou o Novo Conselho de Tirisfal a recrutar novos membros, defendendo Theramore e ajudando Med’an e Garona a combater Cho’gall. Ela foi vista pela última vez no funeral de Aegwynn. Ela retornou a cidade de Ventobravo e permaneceu lá até a época da morte do Lich Rei.

Hall das Sombras

Valira está dentro dos esgotos de Dalaran no secreto Hall das Sombras. Ela ajuda na derrota de Akaari e na recuperação das Presas do Devorador.

Quando os sem coroas começam a investigar as atividades suspeitas de agentes da AVIN e Mathias Shaw, Valira trabalha decifrando uma carta criptografada que estava nas mãos da falecida Amber Kearnen, e pede que o resto dos sem coroa trabalhe para lançar os agentes fora de seu rastro. Eventualmente, Valira descobre a localização do Olho do Corvo, uma joia criada por Havi há muito tempo, para seus corvos de estimação Huginn e Muninn, e depois levada por Kur’talos. Com o olho do corvo, ela podia decifrar a mensagem que Amber Kearnen havia mantido. Um colega o recupera para ela de Black Rook Hold. Depois de decifrar a mensagem de Kearnen, Valeera e os sem coroa descobrem que Shaw foi substituído pelo dreadlord Detheroc. 

Quando Magni convocou os campeões dos Exércitos da Queda da Legião para extrair a corrupção da Espada de Sargeras, Valira carregou Os Reis Matadores, Angústia e Tristeza, se o jogador não era um ladino, representando os Sem Coroa.

Mais tarde, Valira relatou a Anduin que Perith  se recusara a aceitar a carta dele por medo de que colocasse em risco seu chefe. No entanto, ela também observou que há uma chance de que ele ainda possa contar a Baine o conteúdo da mensagem. Ela também deu a Anduin uma carta de Baine, dizendo a ele que ele foi pressionado por Sylvana Correventos a interromper todo contato com ele, assim como um pequeno pedaço do chifre de Baine para servir como lembrança de sua amizade. Enquanto Anduin lamentava que seu grupo de camaradas de confiança estivesse diminuindo, Valira garantiu a Anduin que ele sempre pode contar com a amizade dela, mas o alertou como rei, e não pode se dar ao luxo de confiar imprudentemente.

Mensageira

Continuando a servir como mensageira entre Baine e a Aliança, Valira se infiltrou na Redenção do Vento em Boralus e informou Jaina Proudmoore, Mathias Shaw e Halford Wyrmbane que Baine queria encontrar Jaina fora das ruínas de Theramore para corrigir um erro que a Horda infligiu à família Proudmore. Jaina inicialmente não confiava em Valira, até Mathias Shaw lembrá-la de que Valira tinha sido uma amiga de confiança de Varian. 

Mais tarde, Valira esteve presente no encontro de Anduin e Varok Saurfang, guardando Shalamayne enquanto o primeiro falava com o último.


Quando bebê, bebi magia com o leite de minha mãe. Eu não pedi para ser dependente disso. E isso me ajudou a sobreviver! Que direito Broll tem de me culpar pelas escolhas do meu povo ou pelas circunstâncias do meu nascimento?

Eu amo e defendo a classe de Sacerdote em qualquer jogo que eu pise. Jogo Hearthstone desde o beta, mas ainda sim peguei apenas uma vez o rank Lenda. Fico fantasiando sobre qual será a próxima expansão sempre que a Blizzard anuncia a última.