#Hearthstone,  blizzard,  Café com Blizz,  Card Game,  Cards,  carta,  curiosidades,  Hearthstone,  herói,  histórias,  HS,  Lore,  personagens,  World of Warcraft,  wow

Por dentro da Lore (Parte I): Lorde Comandante da Aliança Turalyon

O Alto Exarca Turalyon é um dos primeiros dos cinco Paladinos dos Cavaleiros do Punho de Prata junto com Uther, o Arauto da Luz, Saidan Dathrohan, Tirion Fordring e Gavinrad, o Dire. Ao contrário dos outros Paladinos, ele era anteriormente um Sacerdote ao invés de um Guerreiro.

Servindo o exército da Aliança com distinção, durante e imediatamente após a Segunda Guerra, ele era o segundo em comando do Senhor Anduin Lothar, o Comandante Supremo Aliado. Durante o cerco de Montanha Rocha Negra, Lothar foi abatido em combate contra Orgrim Martelo-da-Perdição. Foi o General Turalyon que pegou o estandarte de batalha de Lothar e a espada quebrada, e reuniu o exército da Aliança para a vitória sobre a Horda, capturando Orgrim e levando os orcs de volta ao Portal Negro. Como tenente do Leão, Turalyon foi nomeado sucessor de Lothar como Comandante Supremo pelos monarcas da Aliança. 

Fim da Guerra

Após o fim da guerra, ele liderou os Filhos de Lothar para Draenor. Lá eles alcançaram uma série de vitórias militares contra a Horda e destruíram com sucesso a estrutura de pedra do Portal Negro, cortando a ligação entre os dois mundos. A vitória, entretanto, durou pouco. Enquanto os Filhos de Lothar se chocavam com os remanescentes das forças da Horda, Ner’zhul lançou um poderoso feitiço que abriu incontáveis ​​portais, rasgando o mundo. Depois de fugir por uma fenda próxima, Turalyon e sua amante, Alleria Correventos, separaram-se de seus companheiros. Seu paradeiro ficara desconhecido há décadas.

Desaparecimento

Após seu desaparecimento, Turalyon e Alleria encontraram os principais Naaru Xe’ra e o Exército da Luz. Separados da realidade física e do fluxo do tempo, a dupla se juntou ao Exército da Luz enquanto travavam uma guerra contra a Legião Ardente através da Espiral Éterea em uma luta que durou um milênio. Durante a guerra final contra a Legião, o casal finalmente se reuniu com seus camaradas quando os Exércitos da Queda da Legião se uniram ao Exército da Luz para atacar o planeta natal da Legião, Argus. Turalyon viveu tanto tempo, com a benção de Xe’ra, e em suas palavras, ele “cruzou os limites da mortalidade. Ele foi considerado digno de se tornar um protetor eterno da criação”. 

Nascimento

Turalyon nasceu na nobreza de Lordaeron, e o nome de seu pai era Dorus. Desde criança, Turalyon acreditava na Luz Sagrada, mas nunca a havia sentido diretamente. Quando menino, Turalyon tinha sido bastante atrevido, muitas vezes inventando os jogos que ele e seus amigos jogavam ou comandando um de seus exércitos fictícios quando jogavam na guerra. Mas depois que ele entrou para o sacerdócio, tudo isso mudou.

Ele havia recebido ordens dos padres mais antigos e, depois que eles o trouxeram para Alonsus Faol, ele seguiu as instruções do arcebispo. Estudou os caminhos da Luz e tornou-se Sacerdote, curando enfermos e feridos.

Na época da Segunda Guerra, Turalyon era um dos Sacerdotes mais venerados de Lordaeron. Quando os líderes do Conselho das Sete Nações ficaram divididos quando Genn Greymane, de Gilneas, e Aiden Perenolde, de Alterac, ameaçaram abandonar o conselho com medo de perder seu poder regional para a unidade, Turalyon trouxe o príncipe Varian Wrynn, de Ventobravo, para seu lado e exortou os reis a pararem de brigar por questões sem sentido. Do contrário, anunciou ele, todos os reinos seriam destruídos e todas as cidades seriam queimadas como Ventobravo havia sido, e seus filhos ficariam órfãos como Varian, se eles sobrevivessem.

Turalyon argumentou que se a humanidade falhasse em se unir, eles seriam lembrados como um povo que poderia ter salvado Azeroth, mas era orgulhoso demais para deixar de lado as ambições políticas, mas se a humanidade formasse uma aliança, eles poderiam mudar a história e se tornar os guardiões de Azeroth. Essas palavras viram o Conselho das Sete Nações explodir em aplausos, até mesmo de Greymane e Perenolde, e resultaram em uma votação unânime para formar a Aliança de Lordaeron. 

Cavaleiro do Punho de Prata

Ele foi escolhido a dedo como um dos primeiros cinco Cavaleiros do Punho de Prata por Alonsus Faol. Turalyon, junto com seu mentor, Uther, o Arauto da Luz, e os outros Cavaleiros: Tirion Fordring, Saidan Dathrohan e Gavinrad, o Dire, foram encarregados de ajudar o Senhor Anduin Lothar e Hadggar a organizar a defesa da Capital contra o avanço da Horda. Faol presenteou cada um dos paladinos com Incunábulos encantados durante seu treinamento, que estavam entre as relíquias mais antigas da igreja. Cada um deles representava um traço central do Punho de Prata que Faol desafiou seus alunos a se tornarem a personificação viva. Turalyon recebeu o Incunábulo de Proteção. Lothar escolheu Turalyon como seu tenente, uma decisão que fez com que um já incerto Turalyon questionasse seu valor ainda mais. O jovem Turalyon desenvolveu um relacionamento com Hadggar, que apesar de sua aparência envelhecida, tinha mais ou menos a mesma idade do Paladino. Turalyon também foi apresentado a Alleria Correventos, a líder de um grupo de Caçadores élficos que foram enviados para avaliar a situação pelo Conselho de Luaprata.

Mais lutas

Turalyon lutou ao lado de Lothar nas primeiras escaramuças em Eira dos Montes e Costa Sul. Depois de forçar a Horda a desembarcar inicialmente na praia, às forças da Aliança os seguiram para nordeste até a passagem na montanha que conduz à fortaleza dos anões Martelo Feroz no Pico Névoa. As forças da Aliança em fuga não sabiam que o objetivo da Horda não era a fortaleza anã ali. Foi apenas uma finta para atrair a maior parte de seus perseguidores para uma diversão de gato e rato nas montanhas e florestas do Sertão, enquanto o corpo principal da Horda marchava na terra dos elfos de Quel’Thalas. Deste local, a Horda poderia lançar um ataque a cidade de Lua Prata ou Stromgarde. Lothar enviou Turalyon, Hadggar e Alleria para interceptar a Horda antes que Quel’Thalas queimasse. O exército foi transportado de abaixo de Stromgarde para uma área perto de Stratholme e continuou até a fronteira de Quel’Thalas. A Horda prosseguiu e incendiou a Floresta do Canto Eterno no sul de Quel’Thalas. 

As forças aliadas conseguiram deter o avanço da Horda para o interior de Quel’Thalas, mas ao custo de muitas vidas e uma porção considerável da floresta sendo destruída. Alleria buscou conforto nos braços de Turalyon, no entanto, o ataque brutal à sua casa convenceu os elfos a apoiarem totalmente a Aliança, e quando Turalyon deixou Quel’Thalas, estava à frente de uma armada élfica. Eles chegaram à capital, depois de passar pela região montanhosa de Alterac, bem a tempo de reverter o cerco de Martelo da Perdição, e então perseguiram os orcs de volta às praias de Costa Sul.

Libertação de Altaforja

Turalyon e seus camaradas se juntaram ao resto do exército da Aliança após a liberação de Altaforja, forçando a Horda a recuar para a própria Rocha Negra. A batalha foi devastadora para os dois lados. No meio da batalha, Turalyon viu Lothar lutando contra o chefe guerreiro orc, Orgrim Martelo da Perdição, em um combate individual. Turalyon lutou desesperadamente em direção a eles, mas ele foi barrado por guerreiros orcs e não pôde fazer nada mais do que assistir enquanto Ogrim quebrou a Grande Espada Real e desceu seu martelo no elmo de Lothar com uma trituração nauseante. Turalyon abriu caminho no meio da multidão e se ajoelhou ao lado do corpo de seu herói enquanto o chefe guerreiro ria e proclamava vitória.

Palavras do Ogrim – “Eu venci! E assim todos os nossos inimigos morrerão, até que seu mundo pertença a nós!” – trouxe Turalyon a uma revelação. Por meses ele lutou com sua fé e foi incapaz de manejar a Luz como Uther e os outros Paladinos podiam. Ele não entendia como reconciliar a noção da Luz unindo todas as criaturas enquanto seres tão cruéis e monstruosos quanto os orcs andavam pelo mundo, mas o comentário de Orgrim o lembrou de que os orcs não eram de seu mundo. Turalyon raciocinou que a Luz unia apenas as criaturas de Azeroth e que criaturas que não pertenciam lá – como os orcs – poderiam ser abatidas impunemente. Agora confiante em sua fé, ele começou a brilhar com um brilho intenso que obrigava os espectadores a protegerem os olhos.

Pela Luz

Pegando a espada estilhaçada de Lothar, Turalyon desarmou Ogrim e o deixou inconsciente. Outros orcs se encolheram quando a luz ao redor dele ficou ofuscante, e a rocha negra na qual ele estava ficou branca por seu poder. Turalyon e os outros paladinos reuniram as forças da Aliança, enquanto muitos dos orcs começaram a entrar em pânico. Alguns se levantaram e lutaram, alguns se renderam e outros fugiram. Após a batalha, o controle sobre o exército da Aliança caiu para Turalyon – como ele era o tenente e subcomandante de Lothar, ninguém questionou seu direito de liderar. Uther expressou sua felicidade ao ver a fé de Turalyon finalmente emergir, e Turalyon concedeu o título de “o Portador da Luz” ao paladino mais velho.

Com a batalha perdida, a Horda recuou em direção ao Pântano das Mágoas e ao Portal Negro. Sob o comando de Turalyon, a Aliança conseguiu destruir o Portal Negro, o portal místico que conectava os orcs ao seu mundo natal, Draenor. Isolada de reforços e fraturada por lutas internas, a Horda finalmente se dobrou sobre si mesma e caiu diante do poder da Aliança. Com o fim da ameaça da Horda, a Aliança reuniu os clãs orcs espalhados em campos de internamento protegidos e começou a reconstruir seus reinos devastados. Turalyon também liderou seus homens para os destroços de Ventobravo. Alguns meses depois, ele e Hadggar estavam nas Estepes Ardentes observando a estátua de Lothar e discutindo a possibilidade do retorno da Horda.

Turalyon ajudou Varian Wrynn a garantir seu lugar como o próximo rei de Ventobravo, fornecendo-lhe ministros e conselheiros experientes. Ele também supervisionou o repatriamento dos cidadãos de Stormwind e a construção do Deeprun Tram entre Ventobravo e Altaforja, com Gelbin Mekkatorque mantendo Turalyon informado sobre atualizações ou problemas. Durante esse tempo, Alleria tornou-se inexplicavelmente fria com Turalyon, que começou a se preocupar com a obsessão de Alleria por vingança contra os orcs.


Continua …..

Eu amo e defendo a classe de Sacerdote em qualquer jogo que eu pise. Jogo Hearthstone desde o beta, mas ainda sim peguei apenas uma vez o rank Lenda. Fico fantasiando sobre qual será a próxima expansão sempre que a Blizzard anuncia a última.