#Hearthstone,  curiosidades,  Hearthstone,  herói,  histórias,  HS,  personagens,  personalidades,  skin,  World of Warcraft

Por dentro da lore: Hadggar – Parte 3

Hadggar é talvez o mais talentoso de todos os magos vivos e um dos mais poderosos da história Azerotiana. Atualmente atua como líder do Kirin Tor. Confira a segunda parte da história dele (Confira a parte 1 clicando aqui, ou a 2, clicando aqui)


Continua a busca por Gul’dan

Procurando localizar Gul’dan, Hadggar acabaria rastreando sua assinatura mágica nas Ilhas Partidas. Ao chegar, ele encontra Maiev, que  procurava sua ajuda para encontrar Gul’dan

No entanto, Hadggar e Maiev não sabiam que Gul’dan havia observado a reunião antes de partirem ao comando de Kil’jaeden. O feiticeiro chegaria à ilha que seu outro eu havia levantado das profundezas do oceano muitos anos antes. Com facilidade, ele desmantelou as fechaduras e barreiras misteriosas que bloqueavam a entrada do Túmulo de Sargeras antes de abrir a porta e mergulhar rapidamente na escuridão.

Pouco tempo depois, Hadggar entrou no túmulo também depois de ouvir a explosão maciça causada pela destruição da porta. Depois de fugir de várias das armadilhas mágicas mortais colocadas por Gul’dan, o mago confrontou o bruxo em uma câmara imponente, e uma batalha furiosa eclodiu. Ondas colossais de arcano e fel caíram juntas, ameaçando inflamar o ar ao redor dos dois combatentes. A voz de Kil’jaeden, irritada, disse a Gul’dan que nenhum dos dois poderia morrer neste dia e que ele teve que se retirar. Percebendo que se ele não obedecesse, seria cortado da Legião imediatamente, o bruxo se envolveu em vil, fazendo com que a magia arcana de Hadggar desencadeasse uma explosão ofuscante. Quando ele abriu os olhos novamente, Gul’dan se foi. Um jogo mortal de gato e rato se seguiu, com Hadggar provocando Gul’dan na tentativa de tirá-lo do esconderijo enquanto lançava rajadas de fogo aleatoriamente na escuridão.

A Tumba de Sargeras

Depois que um tiro de sorte quase o reduziu a cinzas, Gul’dan convenceu Kil’jaeden a contar sobre o poder trancado na tumba e como liberá-la. Então, usando esse conhecimento, ele começou a desativar os cinco selos arcanos que haviam sido criados no túmulo pelos Altaneiros de Suramar durante a Guerra dos Antigos, usando os cinco Pilares da Criação. Hadggar notou a tentativa e começou a enviar elementais misteriosos para encontrar o feiticeiro, enquanto também começava a perguntar se o orc já havia descoberto o destino de sua principal contraparte do universo.

Gul’dan o ignorou, continuando a quebrar os selos até chegar ao quinto e último, que começava a ficar mais poderoso a cada momento que passava, energia arcana surgindo nele – um mecanismo criado centenas de anos atrás por uma guardiã de Tirisfal. Hadggar percebeu isso e criou uma enorme cunha arcana e começou a jogá-la no chão da câmara. Gul’dan jogou sua ilusão oculta de lado, e a batalha entre o mago e o bruxo eclodiu mais uma vez. Percebendo que ele não podia matar Hadggar e quebrar o último selo ao mesmo tempo, Gul’dan tentou convencer Kil’jaeden a infundir-lhe o poder da tumba, enquanto Hadggar terminou sua história e revelou o destino de Gul’dan na linha do tempo original. Tendo sido despedaçado pelos demônios que ele servira. De repente, Gul’dan percebeu que estava garantido que sobreviveria aos olhos da Legião, mas naquele momento Kil’jaeden admitiu e permitiu que as energias da tumba subissem no orc.

Gul’dan imediatamente interrompeu seu ataque a Hadggar, esmagando o selo final em um punho de fogo vil. As energias necessárias para abrir uma brecha entre Azeroth e os Nether começaram a surgir em direção ao portal enterrado abaixo de Thal’dranath, mas Gul’dan as agarrou por si mesmo. Após um momento de afogamento na dor sob um oceano interminável de poder, ele recuperou o controle e, levantando apenas um dedo, fez a câmara entrar em erupção com uma fúria avassaladora. Hadggar conseguiu se fechar no gelo mais uma vez, mas Gul’dan simplesmente arremessou o bloco de gelo por uma porta antes de derrubar toneladas de rocha em cima dele, bloqueando a entrada.

A terceira invasão

Hadggar se libertaria do gelo e posteriormente se juntaria a Maiev. Trabalhando juntos, o par rompia a câmara e seguia em direção a Gul’dan, que, sem esforço, evitava seus ataques uma e outra vez, mas continuavam vindo até ele. Recuperando a necessidade de assistência, Gul’dan deixaria seu poder escapar dele e descer em direção ao portal, finalmente permitindo o início da terceira invasão de Azeroth pela Legião Ardente. Quando Hadggar e Maiev caíram no chão, Kil’jaeden elogiou Gul’dan por sua escolha, e agora ele tinha algo que nunca havia recebido da Legião antes: a confiança deles.

Quando os demônios começaram a entrar no portal, Hadggar e Maiev fugiram para salvar suas vidas. Quando o arquimago olhou de volta para o céu cada vez mais escuro acima do túmulo, ele viu Gul’dan levitando no meio do inferno, rindo e apontando em direção ao arquimago em fuga para ordenar que vários demônios o perseguissem. No entanto, ele escaparia deles e voaria para a Fortaleza Ventobravo, informando pessoalmente o rei Varian Wrynn e o príncipe Anduin sobre a chegada da Legião.

Algum tempo depois do retorno inicial da Legião a Azeroth, Hadggar voou para Karazhan em um grifo em busca de conhecimento para ajudar contra os demônios. Enquanto ele procurava nas bibliotecas da torre, uma imagem de seu antigo mentor, Medivh, apareceu diante dele, perguntando por que ele tinha vindo. Quando Hadggar disse que estava procurando conhecimento, o antigo mentor respondeu que o que ele precisava não era conhecimento, mas uma arma – que era hora de Azeroth ter um Guardião mais uma vez. Ele respondeu com raiva que depois da morte de Medivh ficou decidido que ninguém poderia resistir à tentação de tal poder e que um Guardião não era o que Azeroth precisava. Medivh respondeu com uma pergunta: “Se não é um Guardião, se não você, quem pode parar a tempestade que se aproxima? ? ” O ex-Guardião mostrou ao seu ex-aluno uma visão de Dalaran caindo do céu em chamas, dizendo que se ele não aceitasse seu destino, tudo o que Hadggar havia realizado e sacrificado seria inútil.

Sobre o posto de guardião de Azeroth

Hadggar se opôs dizendo que, mesmo que ele dissesse sim, não havia ninguém capaz de lhe conferir os poderes de um Guardião. Medivh simplesmente respondeu: “Eu permaneço”. Ele alegou que sabia que esse dia chegaria e que antes de sua morte imbuíra um tomo com um eco de sua essência, e que a abertura faria com que suas energias fossem absorvidas em Hadggar. Enquanto ele ainda estava hesitante, Medivh lhe mostrou uma visão do novo Guardião aniquilando um exército interminável de demônios, canalizando seus poderes através de Atiesh. Hadggar finalmente admitiu que há muito desejava o cargo e ansiava que a Legião se encolhesse diante da fúria que provocaria… e foi por isso que ele nunca pôde aceitar a oferta de Medivh. Os olhos de Medivh brilharam de verde quando sua boca se torceu em uma boca demoníaca, assim como Hadggar desencadeou uma explosão que destruiu o tomo e revelou que o eco de Medivh era de fato um nathrezim monstruosamente gigantesco. O demônio rosnou que a vontade de Hadggar era forte e que ele teria servido bem à Legião, ao que o mago respondeu que nunca seria o peão da Legião e que Karazhan nunca seria o covil deles. Através de Atiesh, ele canalizou um feixe de energia arcana que destruiu o demônio e abriu um buraco através de uma janela na torre.

Quando Hadggar deixou a torre e montou seu grifo mais uma vez, chegou à conclusão de que nenhuma pessoa, nem mesmo um Guardião, poderia esperar se opor à Legião sozinha, e que os mortais de Azeroth deviam se unir novamente, unidos, para Azeroth.

Dalaran

Depois que Dalaran se moveu temporariamente sobre Karazhan, ele pede aos outros membros do Conselho dos Seis que permitam que a Horda volte ao Kirin Tor, sabendo que o conclave precisa da adição de magos da Horda para lutar com força total contra a Legião. Jaina se recusa, pois ainda atribui culpa a eles por destruírem Theramore, sua cidade, e aparentemente abandonar a Aliança na Batalha pela Costa Partida. O conselho realiza uma votação que termina em 4-2 a favor da volta da Horda. Jaina se teletransporta com raiva, deixando Dalaran e o Kirin Tor nas mãos de Hadggar. Enquanto o conselho decide sua próxima jogada, Brann Barbabronze aparece explicando que seu irmão Magni acordou de sua prisão e foi para Ulduar.

Hadggar e um aventureiro vão para Ulduar e, depois de lutar contra forças de Yogg-Saron e da Legião, descobrem que Magni tem conversado com Azeroth, revelando que o planeta é um Titã. Ele então continua explicando que a única maneira de acabar com a invasão da legião é com os Pilares da Criação. Hadggar reconhece o nome e acredita que os viu em um dos livros de Medivh em Karazhan. Ele e o aventureiro se teletransportam para a torre para encontrar o livro, mas descobrem que as defesas que Hadggar instalou em uma viagem anterior foram ativadas. Depois de afastar a Legião e as defesas da torre, eles encontram o livro e o levam de volta para Dalaran, onde convocam o espírito de Alodi, o primeiro guardião e autor do livro, para dizer a eles onde estão os pilares. Alodi explica que eles estão nas Ilhas Partidas e, depois de afastar a Legião e fechar várias pequenas anomalias misteriosas na cidade, Hadggar e os magos de Dalaran teleportam a cidade para as Ilhas.

Hadggar mais tarde viajou ao Cofre dos Guardas para pedir aos Illidari recém-libertados que se juntassem à luta contra a Legião. Ele os teletransportou para a cidade de Ventobravo e Orgrimmar.  As notícias de Val’sharah eram boas: Malfurion conseguiu retornar à sua casa de druidismo, cuidou das coisas e está no início. Hadggar acompanha o campeão da classe até Azsuna.

Ele acredita que descobriu informações sobre uma relíquia antiga, que pode ser a chave para parar a Legião. As nagas também participam disso, pois a própria rainha Azshara quer o Pilar da Criação. Os Illidari são a primeira coisa a lidar antes de se envolver em encontrar a relíquia. Depois de resgatar um dragão azul chamado Stellagosa, ela lhe disse que seu avô Senegos, o mais velho da Revoada Azul, sabe onde fica o Pilar da Criação.

Quando Hadggar e o campeão chegaram ao Azurewing Repose, o dragão azul estava em um estado enfraquecido. Senegos contou a ele sobre a relíquia: a Pedra de Golganneth e que esta foi destruída há séculos. Hadggar ficou horrorizado com o que aconteceu e o dragão mais velho não sabia, mas ele sabe onde estão as peças. 

Suramar

O Conselho dos Seis, o campeão e Hadggar testemunha uma mensagem de uma Anomalia Arcana de um filho da noite chamada Primeira Arcanista Thalyssra, dizendo a eles que seu povo fez um pacto terrível. Hadggar abre um portal para Suramar e informa o campeão a ter cuidado, já que a terra é selvagem há dez mil anos.

Hadggar envia chamas como sinal de alerta. Ele afirma que algumas de suas melhores sentinelas desapareceram e foram mortas. O caçador o segue e vê caçadores consumindo mágicas dos magos. Liderados por Hakkar, não tiveram sucesso em deter a ameaça na área. Eventualmente, os três guardas florestais de elite Halduron Brightwing, Shandris Feathermoon e Vereesa Correventos se juntaram à causa e planejaram o próximo passo. Hakkar foi derrotado pelos caçadores e o arquimago ficou aliviado por a ameaça ter sido interrompida.

Quanto à condição de Meryl, Ravandwyr chamou o arquimago para ajudar a investigar como curar a doença. Para piorar a situação, o arquimago Vargoth esteve ausente do Conselho dos Seis durante esse período, o que o preocupou com seu camarada. O mago e o arquimago Kalec foram investigá-lo ao lado, em busca da cura. Eventualmente, descobriu-se que o dreadlord Kathra’natir estava brincando com uma imagem de Meryl a distância. Uma joia chamada Pedra da Alma Filho da Noite que tanto o mago quanto a Millhouse Manaventos recuperaram em Suramar. Essa poderia ser a única maneira de conter o senhor do pavor.

Hadggar disse a Meryl que, com o conselho e o mais novo arquimago liderando a ordem de classe, eles serão capazes de derrotar a Legião Ardente. Millhouse só queria usar a pedra da alma para suas próprias necessidades. Hadggar observa que, enquanto a Pedra da Alma servir como prisão de Kathra’natir, é melhor deixar intocada, e ele tinha certeza de que existem muitos outros artefatos poderosos disponíveis para o gnomo encontrar.

Objeto Misterioso

O arquimago diz que a Ordem do Punho de Prata relatou que um objeto extraordinariamente luminescente emergiu da Tempestade Fel e está atualmente caindo em direção à costa de Suramar. 

O campeão vai às margens de Suramar e encontra o objeto nas mãos de um gigante do mar chamado Yorg Murkmouth, dentro de uma caverna subaquática. Ao retornar ao Salão do Guardião, Hadggar examina o objeto e este é ativado para nos contar uma mensagem do além. Ele era de seu querido velho amigo Turalyon, e diz que o Objeto Misterioso da Luz deve ser levado ao Profeta, pois ele sabe o que é. Hadggar então cria um portal para o Exodar para enviar o aventureiro para entregar o que aconteceu.

Retornando de Velen as informações que nos foram fornecidas e lamentando um conflito que ocorreu na cidade, o único lugar em Azeroth em que ele confiaria com a guarda do objeto: o salão de pedidos do campeão de classe. Colocando o Coração da Luz no salão da ordem, Hadggar envia uma bola de cristal de sua imagem ao campeão nesta base de operações que ele pode ter encontrado uma “chave” para desbloqueá-la.

Hadggar acredita que Eluna pode ter criado o naaru prime Xe’ra com suas lágrimas, e poderia ser usado para desvendar os segredos internos. Depois de obter as lágrimas, Hadggar preparou-o para o transporte para a Cidadela Violeta para dar ao campeão da classe. Ao usá-lo no salão de pedidos, Xe’ra aparece diante do campeão da classe e é contado tudo sobre sua missão de desespero: o filho de Luz e Sombra. Estando inconsciente por três dias, de acordo com Vicktor Ebonfall, o campeão correu para a Cidadela Violeta para contar a Hadggar o que eles aprenderam. Pela primeira vez, o arquimago se sentiu impotente para fazer algo além do que ele acabara de ouvir. Hadggar, em seguida, queria ficar sozinho, pois na idade dele é demais para suportar.

Cruzando o caminho de Illidan

Nos próximos dias, o campeão e Xe’ra descobririam juntos a história de Illidan, seu objetivo e o mais importante: trabalhar para trazê-lo de volta ao redil. Depois de reunir muitos fragmentos de alma para Allari, o Come-almas, mais tarde foi descoberto que a alma de Illidan foi levada para Helheim por Helya depois que ela fez uma pechincha com Gul’dan. O campeão retorna com a alma do caçador de demônios dentro do Prisma da Alma e a entrega a Xe’ra. Ela diz ao campeão da classe para entregar o navio a Hadggar com as seguintes instruções: quando Gul’dan tentar rasgar o céu em pedaços e trazer o titã das trevas para o mundo, invoque o poder desse navio e libere a alma de Illidan em seu corpo. Hadggar ficou surpreso com o plano deles, mas afirmou que fará o melhor possível com o Coração da Luz em seu poder.

Mais tarde, ele retorna a Karazhan quando a Legião se infiltra na torre, trabalhando com o Kirin Tor e um bando de heróis para libertá-la de suas garras. Descobrindo que Medivh havia ligado a torre aos mundos centrais da Legião durante sua posse por Sargeras.Hadggar partiu para desfazer as amarras enquanto os heróis lutavam para livrar a torre da influência da Legião. No final da torre, Hadggar soltou a maioria, mas não todas, achando impossível desfazer as amarras finais. Isso é feito pelo professor Medivh, que reaparece repentinamente diante do grupo para ajudá-los. Chocado, Hadggar tenta questionar seu professor onde ele esteve, mas a luta com a Legião tem precedentes. Depois que o bando de heróis derrota a Legião no Éterespaço, ele pede que Medivh os ajude em sua luta, apenas para ser recusado, pois o ex-guardião é “necessário em outro lugar”.

Ao invés disso, Medivh nomeou Hadggar como o novo Guardião, apesar de este ter declinado o poder da Magna. Contado por Medivh, ele não precisa do poder dos Tirisfalen; ele tem todo o poder que precisa devido à sua coragem, vontade e coração para proteger o mundo; e também ele será um guardião muito melhor do que ele já foi. Medivh chama o guardião de toda Azeroth mais uma vez e afirma que, embora possa ser mais simples fechar uma porta do que passar por ela, às vezes é necessário um passo no desconhecido para romper os laços do destino. Com isso, ele voa como um corvo para o Eter. Com a torre protegida, Hadggar retorna a Dalaran com os heróis de Azeroth, pensando sobre onde seu mentor partiu.

Consultando Velen

Hadggar falou com o Profeta Velen e os campeões dos salões de ordens em Krasus ‘Landing sobre o uso dos Pilares da Criação para fechar o portal na Tumba de Sargeras. No entanto, Velen lembrou a todos que Gul’dan era apenas um peão e Kil’jaeden ainda estava lá fora. Kil’jaeden, assistiu tudo isso de seu navio em órbita acima de Argus, e enviou navios da Legião para atacar Dalaran. 

Hadggar liderou o assalto em Broken Shore. Ao estudar os escritos de Aegwynn, ele aprendeu que os Aegis de Aggramar poderiam desencadear uma falha no túmulo de Sargeras, caso fosse colocado na Catedral da Noite Eterna. Illidan e Maiev viajaram para a catedral, enquanto Hadggar e Velen desceram ao túmulo. No entanto, perto do topo da catedral, uma imagem de Hadggar apareceu diante de Maiev, Illidan e dos aventureiros para lhes dizer que o ataque aos níveis mais baixos da tumba foi um fracasso. Depois que Illidan e Maiev lideraram os aventureiros na derrota do terrível senhor Mephistroth, um eco da ex-guardiã Aegwynn apareceu e falou aos campeões. Ela revelou a eles que pretende mais tarde ajudá-los em sua busca e também o que seria realmente necessário para fechar o portal da Legião; os pilares da criação teriam que ser usados ​​nas profundezas do túmulo de Sargeras. Depois de ouvir essa informação, Maiev afirmou que Hadggar gostaria de ouvir isso e transmitiu as informações de Aegwynn para ele.

Após derrotar Goroth, Hadggar e os campeões de Legionfall se reagruparam na Câmara da Lua, onde ele e outros campeões se encontraram com o eco de Aegwynn. Ela informou que a Legião pretendia reanimar o Avatar Caído de Sargeras. Aegwynn instruiu Hadggar sobre como usar os Pilares da Criação para desbaratar suas proteções ao Avatar de Sargeras, a fim de impedir a Legião de reivindicar o avatar. Depois de lutar para abrir a ala de Aegwynn e colocar todos os Pilares da Criação, Hadggar retornou para relatar seu sucesso e declarar a ela que eles não falhariam em frustrar o plano de Kil’jaeden. Embora Illidan e Aegwynn avisassem Hadggar do grande perigo e dos obstáculos intimidadores que eles enfrentariam, Hadggar tinha certeza de que, se ficassem juntos, Azeroth ainda poderia ser salvo.

A batalha contra Kil’jaeden

Enquanto os aventureiros lutavam contra o Avatar Caído, Illidan, Hadggar e Velen enfrentavam Kil’jaeden. Quando este se retirou para sua nave da Legião, Hadggar tentou fechar o portal à sua nave de comando. No entanto, Velen correu pelo portal para segui-lo, apesar dos protestos de Hadggar. Illidan incentivou a iniciativa de Velen e convenceu Hadggar de que as invasões da Legião nunca terminariam, a menos que perseguissem Kil’jaeden e o vencessem de uma vez por todas. Após a morte de Kil’jaeden, seu navio começou a bater em Argus. Illidan usou a Pedra de Sagerita para abrir uma brecha entre Argus e Azeroth, permitindo que Hadggar os teleportasse com segurança para Azsuna. No entanto, quando retornaram a Azeroth, foi revelado que Illidan havia deixado a brecha de Azeroth para Argus aberta, e Argus tornou-se visível no céu de Azeroth. Hadggar, horrorizado, perguntou a Illidan o que ele havia feito, e Illidan respondeu que às vezes a mão do destino deve ser forçada.

Sargeras Preso

Depois que Sargeras foi preso pelo Panteão na sede do Panteão, Hadggar disse que a campanha contra a Legião havia sido longa e vacilante. Depois de atravessar mundos inteiros e atravessar a própria Espiral Etérea para finalmente alcançar a vitória, ele estava cansado. No entanto, ele sabia que não podia descansar, pois as visões de destruição de Magni o abalavam profundamente. Apenas um titã permaneceu, e Hadggar sabia que eles tinham que defendê-lo.

No entanto, o ataque desesperado final de Sargeras a Azeroth, apunhalando-a em Silithus, causou-lhe um dano grave. Quando seu sangue começou a aparecer na superfície na forma de um poderoso recurso mágico chamado Azerita, a Aliança e a Horda começaram a lutar por ele com a guerra ameaçada no horizonte. Hadggar esperava que, após a derrota da Legião, o povo de Azeroth tivesse construído um novo futuro juntos. Não querendo ficar e assistir a mais vidas se perderem, nem disposto a pegar em armas de ambos os lados depois de tudo o que passaram juntos, Hadggar preferiu ir a Karazhan e falar com Medivh. Ele esperava que em algum lugar nos textos antigos de Medivh houvesse o conhecimento necessário para curar o mundo. Hadggar e Magni apresentaram o plano de usar as armas de artefato para drenar o poder da Espada de Sargeras.

Eu amo e defendo a classe de Sacerdote em qualquer jogo que eu pise. Jogo Hearthstone desde o beta, mas ainda sim peguei apenas uma vez o rank Lenda. Fico fantasiando sobre qual será a próxima expansão sempre que a Blizzard anuncia a última.