#Hearthstone,  blizzard

De papo com moderador

Todos os grupos de Hearthstone são compostos de várias mentes que, unidas, procuram trazer organização, união e respeito para a comunidade. Motivados pelo carinho pelo jogo e prazer em contribuir, os moderadores são uma parte crucial dos grupos voltados à troca de conhecimentos, diversão e novidades sobre a Blizzard e nosso card game preferido.

Por isso, como forma de reconhecimento, respeito e admiração, as Divas de Eluna hoje vai entrevistar os moderadores: Renato Horta (‘HS BR’ e ‘Way to Pro’), Thais Fernandes (‘HS BR’) e Priscilla Prado (‘Taverna das Divas’).

MdE: Como/Porque se tornou moderador?

Renato Horta: Eu era o cara chato que ficava apontando e denunciando quando alguém fazia algo fora das regras, explicando o lugar certo pra postar combo de missão, etc. Acho que o Luiz Miguel cansou das notificações de denúncia, e me convidou pra moderar o grupo ‘Way to Pro’ e apagar os posts eu mesmo! Achei que seria uma boa oportunidade de me envolver mais com a comunidade. Topei e acabei moderando mais grupos também.

Thais Fernandes: Matheus postou no grupo que estava procurando moderadoras mulheres pro grupo, o Edu (Eduquesa) me marcou na postagem. Eu me interessei por que queria me tornar mais ativa na comunidade e vi o fato de poder ser moderadora com uma oportunidade.

Priscilla Prado: Comecei a jogar no meio de 2017 e conheci o grupo por um amigo, creio que no começo de 2018. Entrei no grupo de WhatsApp, e lá era uma das com mais movimentação, assim como  tinha envolvimento em todas as tretas possíveis. Daí fui indicada pelo Brenno para o Edu, porque faltava um caminhãozinho na moderação.

 MdE: Qual a maior dificuldade e o maior prazer em moderar uma comunidade gamer?

Renato Horta: Eu diria que a maior dificuldade são os pontos cinza entre as regras, o que você considera certo, etc. É impossível e impraticável detalhar TUDO em regrinhas, então é preciso bom senso pra ser o mais justo possível. O que é brincadeira pra ti pode ser uma ofensa pra outro e vice-versa, cada caso é um caso. Mas o que eu acho mais gratificante é quando consigo conversar com alguém que vinha sendo tóxico e fazer a pessoa entender o erro. Muitas vezes chegar banindo é mais fácil, mas eu tento sempre dar uma chance às pessoas pra crescerem. Às vezes eu mesmo acabo aprendendo algo!

Thais Fernandes: A maior dificuldade é não perder a classe HAHAHA ! O maior prazer é os amigos que fiz através do grupo.

Priscilla Prado: Pra mim, pessoalmente, a época de eleição foi um momento muito difícil de moderar, pois percebemos que o ambiente do grupo não era livre de pessoas que não apoiam nossa existência. Passei dias varrendo a TdD atrás do famoso filtro das fotos, tive que ler muito post preconceituoso em várias instâncias, mas ver hoje o quanto o grupo melhorou faz ter valido a pena. É uma comunidade segura para falarmos tanto de decks quanto de RuPaul.

 MdE: Tem algo que você mudaria/melhoraria na comunidade no geral?

Renato Horta: Umas pitadas de paciência e empatia sempre caem bem!

Thais Fernandes: A Toxidade, mas isso é algo que vamos mudando a cada dia, a gente tenta mostrar que esta errado, quando não funciona a gente livra o grupo de pessoas assim. Uma maior representatividade feminina, nós temos mulheres MARAVILHOSAS na comunidade, mas eu gostaria de ver ainda mais, principalmente no competitivo.

Priscilla Prado: Na Taverna das Divas? Não. Nos outros grupos? SIM. Acho um absurdo o quanto tem gente metida a pró-player que humilha novato por não saber coisas que NINGUÉM sabia quando começou a jogar. Por mais que seja um jogo competitivo, os grupos de Facebook não deveriam servir pra destilar ódio, indireta e picuinha.

 MdE: Qual foi a situação mais engraçada que já passou?

Renato Horta: Tentar armar uma armadilha pro famigerado Doidinho, “ladrão das missões de 80 gold”, com a ajuda de um amigo. Até encontramos um perfil e bani, mas ele sempre volta, é uma fênix que se alimenta de quests!

Thais Fernandes: Um dos moderadores estava me zoando em uma postagem por causa do meu rank, porque isso é uma coisa que fazemos no chat da moderação, um membro viu e não gostou e passou a brigar pra me defender! Foi engraçado e fofo ao mesmo tempo!

Priscilla Prado: Quando eu fui promovida a moderadora e os comentários eram quase todos “ué, ela já não era?”.

 MdE: E a mais desgastante?

Renato Horta: Um dos momentos mais desgastantes que me vem agora seria ter que lidar com o machismo e insensatez por causa da roupa de uma streamer.

Thais Rodrigues: Fazer um membro entender porque aceitamos posts de novatos que eles entendem como inútil fiquei dois dias falando com ele sobre isso, até marcar o Matheus pra ele interceder na explicação.

Priscilla Prado: Toda discussão com quem não quer agregar à comunidade, apenas impor seu ponto de vista. Pelo menos hoje em dia podemos dizer que a TdD é um ambiente muito menos tóxico do que outros grupos onde certos comportamentos não são tão minados. A época de “caça ao eleitorado” de certos políticos também foi cansativa demais, porque eu entrei num modo automático de checar o perfil de todo mundo.

MdE: Você sente que a comunidade que pertencemos tem melhorado no quesito toxidade?

Renato Horta: Gosto de pensar que estamos sempre evoluindo, mas às vezes as pessoas ainda parecem misturar as coisas e explodirem rápido… Complicado dizer.

Thais Rodrigues: Sim, tenho até saudades de dar ban! Aos poucos as coisas vão melhorando, o trabalho da moderação em mudar isso, e fazer o possível pra essas coisas pararem de acontecer, espero que os jogadores talvez estejam evoluindo e vendo que isso não é saudável, mas eu sei que nossa comunidade ainda tem muito pra evoluir.

Priscilla Prado: Até que sim, mas tem muita coisa a ser trabalhada ainda, como a competição (presente na cabeça de alguns) entre criadores de conteúdo, que sinceramente não acrescenta em nada. A comunidade deve crescer junta. Outra coisa é a dificuldade de certos termos serem removidos do vocabulário, como “câncer”, “estupro”, brincadeiras com suicídio. Isso na TdD rende ban, mas a gente sabe muito bem que pra alguns, por ser um termo “comum” a comunidade gamer, “taokei”, mas não ta.

MdE: Qual seu streammer e jogador preferidos?

Renato Horta: Meu streamer favorito é o Jhosep “Ogaitnas” Santiago (desculpa Eduquesa, foi por pouco) e admiro muito o Lucas “Rase” Guerra!

Thais Rodrigues: Streammer – Ogaitnas e Eduquesa <3 Jogador – Rase.

Priscilla Prado: Eduquesa pela interavidade na live, meu amorzinho. Disguised Toast pelas explicações e busca por bugs.

 MdE: Qual mensagem você passaria pra galera que tem seus posts aprovados ou recusados por você, que convive e participada da comunidade?

Renato Horta: “Segue as regras!”

– Aldor, Pacificador

Brincadeira! Queria aproveitar o espaço e falar pra toda essa comunidade maravilhosa que em 2019 darei tudo de mim, me esforçarei e irei me dedicar ao máximo para garantir que todo post que falando bem de Sacerdote seja apagado! Obrigado!

Thais Rodrigues: Bom, espero que vocês sempre evoluam como jogadores e como pessoas, temos sempre que respeitar o próximo independente de qualquer coisa e saibam que nós, moderadores, estamos sempre fazendo nosso trabalho com maior carinho e dedicação!

Priscilla Prado: Coloca a mãozinha na consciência e pensa o que pode ter de errado no seu post, a gente não nega um post ou exclui só porque não tem mais o que fazer, é porque não está de acordo com as regras, aquelas lá que devem ser lidas pra aplicar no grupo, sabe? Tratem as pessoas do grupo como vocês gostariam de ser tratados, mesmo que tenha sido diferente com você quando você entrou. Não perpetue um comportamento tóxico.

"Estranha de um jeito muito particular e criativo". Um meme em forma de jogadora de hearthstone e vice versa. Apaixonada por dois dragões: Draco Lazuli e Ysera. Também jogadora de RPG de mesa, jogos em consoles antigos e uma escritora que busca inovar todos os dias. Pela Aliança!