Circulando por Uldum: Conhecendo os Tol’vir!

Na mais recente expansão de Hearthstone, Salvadores de Uldum, fomos apresentados a diferentes Tol’vir em forma de cartas. Vamos conhecer um pouco mais deles e quais suas origens nesse artigo.

Os Tol’vir são uma raça de humanoides felinos, encontrados em Uldum. Eles eram construções de pedra, criadas pelos titãs. Seu objetivo era manter os repositórios de conhecimento e máquinas que cercam essa área, além de proteger Ulduar. Eles tem corpos inferiores e cabeças de felinos, bem como torsos humanos. São divididos em três tribos distintas: Os Ramkahen, os Neferset e os Orsis. Como muitos outros titãs forjados, os Tol’vir sucumbiram à Maldição da Carne. Embora os Neferset, mais tarde, tenham recuperado suas formas de pedra, devido a um pacto com Siamat, o lorde dos ventos do sul.

Como a maioria dos titãs forjados, os Tol’vir foram criados usando a Forja de Vontades, durante o ordenamento de Azeroth. Como os Anubisaths e os Mogu, muitos Tol’vir acompanharam o Grão-Guardião Rá para instalar a Forja da Originação nas selvas de Uldum. Após a Forja ter sido incorporada na terra, Rá atribuiu aos Tol’vir e Anubisaths a vigia da área. Enquanto isso, ele e o resto de seus seguidores continuavam a oeste para estabelecer a fortaleza de Ahn’Qiraj. Quando Rá desapareceu, muitos anos depois, a maioria dos Tol’vir se reuniu em torno de Uldum e começou a desenvolver sua própria cultura, completamente separada da de seus irmãos do norte. Quando os agentes do traiçoeiro Loken viajaram para o sul em busca de Rá, eles inadvertidamente afligiram os Tol’vir com a Maldição da Carne.

Titãs

Nos tempos antigos, os Tol’vir foram encarregados de guardar as estruturas e artefatos dos Titãs benevolentes. Todos os protocolos de combate que os Titãs programaram para os ancestrais do Tol’vir ainda estão lá, embora alguns façam parte de seus instintos, alguns são transmitidos como tradições. Mas os Tol’vir também estabeleceram suas próprias culturas e cidades no processo. Os edifícios deles são feitos de pedra e lama, moldados em tijolos e colocados em estruturas semelhantes a cubos. Embora simples, eles são eficazes em bloquear o sol forte no deserto de Uldum ou cortar os ventos implacáveis.

Algalon, O Observador

As tribos Tol’vir são lideradas por reis, e eles vivem no que parece ser um sistema monarca de governo. Quando o rei passar, o herdeiro vivo mais velho tomará o seu lugar, e assim por diante. Membros mais graduados da sociedade Tol’vir, como generais, reis e sumos sacerdotes, usam capacetes que têm a forma de carneiros ou pássaros. Sabe-se que eles reverenciam os Titãs e seus guardiões, de modo que estes podem ser moldados em honra dos guardiões Titãs.

O Tol’vir tem muitas áreas sagradas ao redor de Uldum. Embora a religião principal e as crenças deles não sejam conhecidas neste momento, eles mantêm sumos sacerdotes das tribos em posição de destaque. Tol’vir mumificam seus mortos. Eles também parecem ter sua própria língua, mas também podem interagir com os aventureiros da Horda e da Aliança, talvez através do “Comum”. Mas também não é de se estranhar se eles falarem Titã, a linguagem de seus criadores.

Lei Shen e a lavagem de Uldum

Milênios mais tarde, os Tol’vir de Uldum continuaram tentando suportar a devastação da Maldição de Carne. Ficaram esperando pacientemente instruções de Rá ou de seus seguidores Mogus. Eventualmente, eles receberam notícias de um líder Mogu conhecido como Lei Shen, o “Rei Trovão”. E eles enviaram embaixadores para o leste. O rei mostrou aos Tol’vir as maravilhas de seu novo império, a ascensão de que tinha ido sem o conhecimento da ocidental titan-forjado. Quando o Mogu anunciou que havia derrotado Rá na batalha, e que pretendia reivindicar para si a Forja da Origem, os Tol’vir ficaram furiosos.

Recusando a oferta do Rei Trovão de um lugar de honra em seu império em troca de seu serviço, retornaram a Uldum. Confiante que seus exércitos seriam capazes de reivindicar a fortaleza com facilidade, Lei Shen marchou para o oeste, convidando muitos de seus aliados Zandalari para se juntar a ele em sua iminente vitória. No entanto, os Tol’vir, sabendo que não seriam capazes de enfrentar os Mogus de frente, prepararam um plano ousado: usar a Forja da Origem contra o Rei Trovão.

Quando os Mogu chegaram a Uldum, os Tol’vir ativaram a arma, tendo-a configurado apenas para vasculhar a região circundante. As energias da Forja instantaneamente mataram toda a vida na região – incluindo um pequeno número de defensores dos Tol’vir, que permaneceram fora da fortaleza para agir como uma distração – e transformaram a exuberante floresta em um deserto árido. Os Tol’vir usaram magia para selar as passagens da montanha que levam à região, a fim de garantir que ninguém jamais tentasse seguir os passos do Rei Trovão.

Guerra Civil 

Quando os Tol’vir foram atingidos pela Maldição da Carne, eles se entristeceram por seus corpos enfraquecidos. Mas parecia não haver nada que eles pudessem fazer para reverter isso, então eles aceitaram e seguiram com suas vidas. Mesmo assim, muitos nunca pararam de lamentar a perda.

Durante o Cataclismo, Asa da Morte retornou ao mundo, e ele se alinhou com o Elemental Al’Akir, o líder dos elementais do ar, assim como com os Deuses Antigos. Quando Asa da Morte chegou a Uldum, ele ofereceu aos Tol’vir um acordo: juntando-se a ele, ele retornaria suas formas de pedra originais para eles, a maldição seria revertida.

O Neferset, liderado pelo Faraó das Trevas Tekahn, concordou com a barganha. Menrim, um dos Neferset, sentiu-se diferente e tentou convencer outros de que era uma má ideia que eles ficassem eternamente em dívida com Al’Akir e Asa da Morte. O povo Neferset, no entanto, era arrogante, acreditando que poderia derrubá-los e recuperar sua independência uma vez que suas formas antigas tivessem sido restauradas. Quando os Tol’vir de Orsis o recusaram, Al’Akir enterrou a cidade sob as areias em um grande vendaval. Os Ramkahen também receberam a mesma escolha, e também recusaram. No entanto, eles tomaram medidas para garantir sua segurança depois de ver o resultado do ataque à Orsis.

Com a ajuda de valentes aventureiros da Horda e da Aliança, os Ramkahen conseguiram tomar a cidade de Neferset e empurrar a tribo Neferset de volta. Os Ramkahen agora controlam a maioria dos assentamentos Tol’vir em Uldum, enquanto os Neferset ainda mantêm a parte sul do delta e sua fortaleza na Cidade Perdida. Mais do povo Neferset pode ser visto no Pináculo Vortex.

Batalha por Azeroth

Depois que Zandalar abriu seu porto para não-trolls pela primeira vez em séculos, um grupo de comerciantes de Tol’vir chegou para vender seus produtos.

Sargeras, ao atacar Azeroth com sua espada, desenterrou novos túmulos, e de um Amathet emergiu. 

Eles acreditam que eles, administradores dos titãs, deveriam controlar sozinhos o Azerita. Quando perceberam que Rajh e seus parentes foram mortos, construíram novos guardiões. O que significa que eles devem ter uma forja ativa como a Forja das Vontades e a Forja da Origem.

 

Em Hearthstone

Tol’vir apareceu pela primeira vez em Hearthstone com a aventura da Liga dos Exploradores, que apresenta um chefe Tol’vir com o nome de Phaerix e o card de guerreiro Destruidor Obsidiano.

Na expansão de Jornada a Un’Goro apareceu um grupo de Tol’vir de pele de pedra, que vagou de Uldum para a região próxima da Cratera Un’Goro, incluindo o lendário de Paladino Salvassol Tarim. A Blizzard também planejou originalmente introduzir uma nova raça de humanoides reptilianos parecidos com crocodilos. A ideia era que, embora os Mogus tenham criado Saurok para combater humanoides como os Pandarens, os Tol’vir teriam que criar uma versão mais volumosa para combater os dinossauros de Un’Goro. No entanto, a Blizzard decidiu simplesmente usar o saurok pré-existente.

Notavelmente, o micro-feriado “Un’Goro Madness”, em World of Warcraft, apresenta um Tol’vir solitário de pedra com o nome de Salvassol Croesus, que compartilha seu título com o personagem Tarim, mencionado acima.

Sumo Sacerdote Amet

O Sumo Sacerdote Amet é um Tol’vir Ramkahen. Ele aparentemente é o líder do setor religioso de Ramkahen, chamado “A Fé de Ramkahen”. Como tal, ele é também o representante no “Alto Conselho”, a autoridade governante dos Ramkahen sob o rei Phaoris.

Tendo a capacidade de ler o futuro nas águas do Lago Vir’naal, ele é encontrado dentro da Barragem de Vir’naal em Uldum. Lá ele fica olhando para a água, através de uma janela. Ele é acompanhado por dois padres Vir’naal.

Faraó das Trevas Tekahn

Faraó das Trevas Tekahn é o rei da tribo Neferset. Eles são uma facção do Tol’vir que recuperou suas peles de pedra  em troca de sua obediência ao Asa da Morte e Al’Akir.

Ele está no controle dos colossos imortais, e com sua morte, eles vão desmoronar. Tekahn é o herói bruxo na experiência dos jogadores na Invasão de Dalaran, na expansão de Ascensão das Sombras

No Hearthstone, ninguém sabe ao certo como o Tol’vir acabou trabalhando para a Liga da M.A.L, mas ele ainda está decidido a entregar Dalaran às mãos de Rafaam.

Rei Phaoris

O Rei Phaoris é o líder racial da tribo Ramkahen de Tol’vir. Aborrecido por Neferset, que se aliou a Asa da Morte e Al’akir, ele recebe aventureiros que vieram ajuda-los.

Com seu exército e os aventureiros avançando para atacar seus inimigos, ele é capaz de invadir e capturar o inimigo controlado pela cidade de Neferset e, no processo, se tornar-se governante de Uldum.

Quando Chen e Li Li Stormstout chegaram a Ramkahen, Phaoris lia acusações contra prisioneiros, sobreviventes da tribo Neferset. Ele declarava a sentença, depois que ele e o Conselho Superior terminassem de discutir o assunto. Quando Menrim apareceu diante dele e do resto do conselho para pleitear a vida dos prisioneiros, o rei observou que eles já o tinham ouvido. Mas prometeram que assegurariam que a justiça seria entregue, qualquer que fosse a forma que pudesse tomar. 

Reunião com a Liga dos Exploradores

Mais tarde, ele se reuniu com membros da Liga do Exploradores. No momento ele lhes disse que algumas coisas são deixadas enterradas. No entanto, permitiu que eles ficassem na cidade, mas avisou-os para não ultrapassarem os limites de suas boas-vindas.

Lili & Chen

Phaoris se encontra com Li Li e o novo Grão-Mestre da Ordem do Templo Quebrado. O Grão-Mestre procura os Punhos dos Céus. A arma é um par de lâminas manuais fabricadas pelo ferreiro Irmaat, para empunhar contra a Legião Ardente. Phaoris revela a lenda por trás das lâminas e se oferece para ajudar. Acredita-se que Nader esteja carregando uma pedra elementar. Segundo Phaoris, ela seria poderosa o suficiente para levar quem a usasse para a própria Skywall. O Grão-Mestre e Li Li usam a pedra para viajar até a Skywall, onde localizam e reivindicam os Punhos do Céus.


Os Tol’vir são fascinantes! Toda sua cultura e popularidade aparecendo em Hearthstone. Além de sua zona virar uma expansão para deter o roubo de Dalaran! Que raças de World of Warcraft vocês gostariam de ver em Hearthstone? Qual sua favorita? Quem sabe a Blizzard não as traga na última expansão do ano do Dragão?

Eu amo e defendo a classe de Sacerdote em qualquer jogo que eu pise, caso não vejo a luz, eu escolho ser um mago que sabe que inteligencia é poder, falando em poder, eu não temo ele mas sim aqueles que o possui. Jogo Hearthstone desde o beta mas ainda sim não peguei o famigerado rank Lenda. Metido a escritor de lores e fico fantasiando sobre qual será a próxima expansão sempre que a Blizzard anuncia a última.