#Hearthstone,  blizzard,  Café com Blizz,  Hearthstone,  histórias,  HS,  personagens,  World of Warcraft,  wow

Por dentro da Lore (Parte III): Lorde Comandante da Aliança Turalyon

No Vale dos Heróis em Ventobravo, Alleria e Turalyon permaneceram sob as estátuas memoriais que foram feitas para eles após a destruição de Draenor.

Alleria disse que às vezes se sentia como se já tivesse morrido duas vezes, primeiro em Draenor e depois com L’ura. Ela se perguntou se a morte era o verdadeiro legado dos Correventos. Turalyon sabia que ela estava ansiosa para conhecer Sylvana, não importava como ela o escondesse e, embora ele dissesse que ela não precisava ir. Ela tinha que ver sua terra natal com seus próprios olhos e perguntar a Sylvana como ela poderia usar o manto de Chefe Guerreiro.

Turalyon queria que Alleria contasse ao Rei Anduin Wrynn sobre seu encontro com suas irmãs, já que aconteceu no território da Horda e envolveu Sylvana, a chefe guerreira da Horda, mas Alleria argumentou que não era um encontro político, mas um caso de família ocorrendo em sua casa ancestral. Quando Turalyon sugeriu ir com ela, ela o desencorajou, insistindo que ele ficaria entediado.

Juramento

Quando Alleria saiu por um portal sombrio, Turalyon prometeu a ela que diria a Arator que ela mandaria lembranças, e acrescentou que ele se lembraria da mesma coisa.

Turalyon está presente na Embaixada de Ventobravo, defendendo a inclusão dos draeneis Forjados a Luz na Aliança. Com o endosso do Rei Anduin, Turalyon e um companheiro campeão da Aliança dirigem-se ao Vindicaar para falar com suas tropas. Já que o Capitão Fareeya estava no meio do recrutamento, ele permitiu que o campeão da Aliança testemunhasse o processo de se tornar Forjados a Luz passando por testes como o segundo T’paartos.

Depois de completar com sucesso os testes, Turalyon oficialmente introduz T’paartos como um membro dos Forjados a Luz e faz Fareeya anunciar que a partir deste dia, o Exército da Luz luta pela Aliança. Ele então retorna ao Rei Anduin para dar aos draeneis o juramento oficial de lealdade à Aliança.

Batalha de Stormgarde

Turalyon é um dos possíveis comandantes da Aliança durante a Batalha de Stromgarde. Suas forças consistem em uma mistura de soldados do Exército da Luz e da Ordem da Mão de Prata. Ambos erguem Estandartes Abençoados com a iconografia da Mão. É possível para ele lutar contra Lady Liadrin, onde ele zomba da ideia da Horda sendo liderada por um paladino, questionando o que aconteceu em Azeroth para permitir isso. Ele também afirma que está ansioso para decretar justiça contra um “paladino desorientado da Horda”.

Uma versão de Turalyon aparece na Visão de Ventobravo. Dentro da visão, Alleria caiu na loucura do vazio e está orquestrando a queda de Ventobravo da Catedral da Luz. Lá, Turalyon é morto por Alleria enquanto o primeiro tenta argumentar com ela, morrendo assim que os aventureiros entram na visão, implorando para que salvem seu filho. Os aventureiros não tiveram sucesso, pois Alleria consome Arator em um portal do vazio antes de envolver os aventureiros e ser derrotada.

Queda de N’Zoth

Após a queda de N’Zoth, Turalyon encontrou Alleria no Vale dos Heróis, refletindo sobre um “tempo mais simples”. Os dois discutiram os acontecimentos recentes e Alleria concluiu que fará Sylvana pagar pelo que fez.

Após o fim da Quarta Guerra, Turalyon participou de uma reunião com os Reis Anduin Wrynn e Genn Greymane nas criptas da Catedral da Luz, na qual os cadáveres de membros recuperados dos Agentes da AVIN sugeriram que os guardas das trevas estavam em Zandalar. Esse conhecimento fez com que Turalyon se perguntasse se Sylvanas buscava vingança contra a Rainha Talanji por puxar seu apoio para a Rainha Banshee, enquanto Genn acreditava que Talanji ainda estava trabalhando com Sylvanas e fornecia abrigo na ilha. Anduin então declarou Turalyon como o Senhor Comandante das forças da Aliança, com a tarefa de encontrar Sylvana Correventos e usar todos os meios necessários. Para essa tarefa, ele contou com a ajuda de sua amada, Alleria Correventos.

Durante a caçada, Danath Trollbane informou a seus amigos que um patrulheiro escuro foi visto entre um grupo de refugiados da Horda nas Terras Altas de Arathi. Ao proteger os refugiados, eles foram atacados por Zun, uma criança orc. Turalyon o subjugou com humor, e a dupla concordou totalmente em poupá-lo quando Gowzis implorou pela vida de seu filho.

Tortura

Ao olharem para os refugiados, eles descobriram que seu alvo não estava entre eles, no entanto, com os poderes do Vazio, Alleria sentiu que Gowzis tinha as informações que procuravam. Inicialmente, Turalyon tentou interrogar suavemente o orc, mas quando isso falhou, a dupla decidiu relutantemente que precisava da informação a qualquer custo. Assim, Alleria torturou Gowzis com o Vazio, fazendo com que um farmacêutico indignado Cotley ordenasse que ela parasse e revelou que Visrynn exigiu um voto de silêncio deles e deixou escapar que pretendia ir para a Enseada de Faldir para adquirir um barco. Em resposta, Alleria cessou seu ataque e ordenou que o Capitão Celosel Nightgiver desse aos refugiados comida, cobertores e o que eles pudessem ceder. Ela então ordenou que Nightgiver enviasse Cotley a Ventobravo, acreditando que ele poderia saber mais e como eles não poderiam se dar ao luxo de perder um único detalhe em sua caçada.

Mais castigo e tortura

Com seus novos conhecimentos, Alleria e Turalyon dirigiram-se para Faldir’s Cove, onde descobriram um homem com uma adaga que caberia mais em uma bainha Abandonada. Quando o contrabandista se recusou a responder suas perguntas, Turalyon o acorrentou com a Luz, enquanto Alleria invadiu sua mente. Durante o interrogatório, Jaina Proudmoore chegou, enviada por Anduin para verificar o par para uma atualização. Jaina ficou horrorizada com suas táticas duras e quando Turalyon justificou suas ações mencionando que o homem havia abrigado um agente de Sylvanas. Jaina exigiu saber como ele sabia que o paladino revelou a adaga Abandonada, e Alleria explicou que seu interrogatório revelou que o patrulheiro escuro dirigia-se para Zandalar. Jaina então saiu para informar Anduin de tudo, o que Alleria viu em parte como uma fofoca.

Algum tempo depois, Turalyon e Alleria foram hospedados por Jaina em Boralus, pois tinham vindo a pedido de Anduin caso Mathias Shaw não descobrisse nada na costa Zandalari. Eles foram logo interrompidos por Flynn Fairwind, que relatou que Shaw havia sido feito prisioneiro pelo Império Zandalari. Enquanto Turalyon estava preparado para soar o apelo à guerra, Jaina pediu que eles não arriscassem o tratado. Turalyon aparentemente concordou e perguntou o que eles deveriam fazer a seguir. Jaina então declarou que usaria o próprio tratado antes de se voltar para a lâmina.

Após o sequestro do Rei Anduin pelos Mawsworn, Turalyon foi nomeado regente e protetor do reino com o apoio da Casa dos Nobres.


Continua após o lançamento de World of Warcraft Shadowlands….

Eu amo e defendo a classe de Sacerdote em qualquer jogo que eu pise. Jogo Hearthstone desde o beta, mas ainda sim peguei apenas uma vez o rank Lenda. Fico fantasiando sobre qual será a próxima expansão sempre que a Blizzard anuncia a última.