Hearthstone

Café com Blizz: Saiba a história de Maiev Cantonegro

Fala galera!
O Café com Blizz desta semana conta a história de Maiev, a próxima heroína da classe Ladino, em Hearthstone!
Como muitos personagens de Warcraft, ela mudou de classe, de Sacerdotisa para Ladina. Isso costuma ocorrer por algumas mudanças na vida do personagem e da descoberta de novos dons. Vamos a história desta incrível personagem.

A história de Maiev

Maiev Cantonegro era uma Sacerdotisa de Eluna durante a Guerra dos Antigos, e a segunda em comando de seu povo. Como todas de sua irmandade, ela se armou e lutou contra a Legião Ardente. Durante a guerra, o uso abusivo da energia arcana trouxe muitos problemas. Com isso, Maiev passou a acreditar que esse poder imundo e horrível só trazia fatalidade ao mundo.

Durante esta guerra, [Illidan Tempesfúria], que fora um elfo noturno importante para seu povo, cometeu muitos crimes, apesar de sua intenção de acabar com a Legião Ardente. Por isso os elfos se apressaram para prende-lo, e ao tentar escapar ele usou energia arcana, quase matando a todos, e deixando muitos em coma, inclusive o irmão de Maiev, Jarod.

Percebendo os planos e o descontrole de Illidan, seu irmão [Malfurion Tempesfúria] decidiu aprisioná-lo, com a ajuda de [Cenarius], selando o elfo em uma prisão subterrânea, de onde não poderia sair até o fim dos tempos. Maiev ficou feliz ao ver Illidan aprisionado, e exigiu que pudesse ser a carcereira do traidor, para garantir que ele nunca mais saísse daquele lugar. Malfurion, impressionado pela força da elfa, permitiu que ela fosse a carcereira eterna de seu irmão.

Sendo assim ela se transformou em líder de um grupo de elfos noturnos que era responsável pela prisão do traidor e da manutenção da prisão Vigia das Profundezas Tumulares. Durante seu serviço, que durou 10 mil anos, ela se transformou em caçadora de recompensas e assassina de inimigos e criminosos fugitivos, pois era parte de sua função.

A Fuga

Após estes 10 mil anos, [Tyrande Murmuréolo], a líder de seu povo, invadiu a prisão, matando muitos dos guardas, para soltar Illidan. Ela esperava que ele pudesse derrotar a Legião Ardente, que tinha voltado ao ataque. Mas apesar da ajuda que o traidor deu a causa, ao absorver o crânio de [Gul’dan], ele foi banido de Vale Gris. Com isso, Maiev se tornou obsessiva em caça-lo e prende-lo novamente.

Depois de muitas lutas, Malfurion chega com reforços, e também com Tyrande, sua esposa. Maiev reclama dela, diz que ela deveria ser severamente punida por ter soltado Illidan. Enquanto Tyrande se defende dizendo que julgou o melhor a ser feito na época. Antes que uma batalha entre as duas começasse, Malfurion interfere e as lembra de que coisas muito mais importantes devem ser resolvidas.

Voltaram a Floresta da Pinhaprata, para encontrar Kael’thas, príncipe dos elfos sangrentos, a contra gosto de Maiev, que só queria caçar Illidan. Durante a escolta, foram atacados, e Tyrande acabou caindo nas águas e desapareceu. O príncipe dos elfos tentou ajudar Tyrande, mas Maiev o impediu. Ela o avisou que o tempo era curto e que a sacerdotisa sabia e estava preparada para qualquer risco necessário. Sendo assim, ele mostrou a ela os rastros do traidor. No caminho encontraram Malfurion, e contaram o ocorrido. Malfurion, cheio de dor e pesar, foi convencido por Maiev que isto era também culpa de seu irmão, pois pelos atos dele é que estavam naquele lugar.

Durante o confronto, Malfurion acusou seu irmão pela perda de Tyrande, deixando Illidan transtornado, já que ele também a ama. Ele explicou que a intenção de seus planos era prejudicar o Rei Lich, em Nortúndria, e seus servos mortos vivos, outra guerra que acontecia no momento. Kael conta a eles que existe a possibilidade de que ela ainda esteja viva. Isso deixa Malfurion furioso com Maiev e suas manipulações e mentiras.

Novo mundo

Tyrande foi salva. Malfurion, julgando os atos de Illidan, decidiu que seu irmão deveria ser livre. Maiev não se conformou. Ela recorreu à seu grupo e juntos o perseguiram pelo portal Negro, chegando a Draenor, terra natal dos orcs.

Nestas terras desconhecidas, entre muitas batalhas, perdas e sofrimento, ela é apresentada a Akama. Ele é um espião, que faz parte do grupo de “confiança” de Illidan. Esta traição tem um motivo, Illidan ajudou o povo de Akama a reaver seu santuário, agora chamado de Templo Negro. Mas ele passou a usá-lo como base de operações, não devolvendo o lugar ao povo, e deixando o local ainda mais impuro.

Após várias tentativas e planos frustrados, Maiev é presa por Illidan, minando os planos dela. Com uma guerra imensa formada, nos portões do Templo Negro, Akama consegue soltá-la e juntos eles vão até o traidor. Ao finalmente derrotá-lo, Illidan diz a Maiev: “A caçadora não é nada sem sua presa, você não é nada sem mim”. Ela admite que sem caçá-lo, não é nada. Illidan é morto e seu corpo é preso novamente.

Um outro recomeço

Muito tempo depois, Gul’dan rouba o corpo de Illidan, que era guardado por Maiev e seu grupo. Ela não pensou duas vezes, saltou atrás deles no portal aberto para a fuga. Acabou ficando como prisioneira por semanas, sendo torturada, mas não conseguiram domar o espirito dela. Seu irmão Jarod, com a companhia de outros,  consegue liberta-la.

Com isso os Caçadores de Demônios que ainda estavam na prisão foram soltos, na tentativa de minar os planos de Gul’dan e libertar o mundo da Legião Ardente.

Escolho Druida em qualquer jogo, sem pensar duas vezes. Sou jornalista de formação e de coração, e descobri aqui, neste Mundo de Eluna, meu cantinho para desenvolver textos gamers e com outros assuntos que gosto. Peguei ranque legend em HS, já fiz 12 wins na arena, e continuo procurando raides no WOW quando dá tempo.